25112020Qua
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

San Antonio 2019

Anticorpo droga-conjugado mostra atividade no câncer de mama HER2+ politratado

Krop Ian bxEstudo de braço único desenhado para avaliar o anticorpo droga-conjugado trastuzumabe deruxtecan (T-DXd) demonstrou respostas objetivas duráveis ​​em pacientes com câncer de mama metastático HER2 positivo fortemente pré-tratadas, expostas a T-DM1 e a outros tratamentos anti-HER2. É o que mostram os resultados do ensaio clínico de fase II DESTINY-Breast01, apresentado pelo oncologista Ian Krop (foto) no SABCS 2019, com publicação simultânea no New England Journal of Medicine.

 

“Semelhante ao T-DM1, o T-DXd tem um anticorpo monoclonal direcionado ao HER2, mas diferentemente do T-DM1, que tem um inibidor de microtúbulos como carga citotóxica, o T-DXd tem um inibidor da topoisomerase 1 como carga”, comparou Krop, principal investigador do ensaio DESTINY, que apresentou os resultados no SABCS 2019. “O T-DXd possui oito moléculas da carga útil, o dobro do T-DM1, acrescentou o especialista, chefe da divisão de oncologia mamária do Dana-Farber Cancer Institute.

Dados já reportados de uma fase anterior (Tamura, Lancet Oncol, 2019) mostraram que T-DXd produziu taxa de resposta objetiva de 59% em pacientes com câncer de mama HER-2 positivo previamente tratados com T-DM1. A agência norte-americana Food and Drug Administration concedeu revisão prioritária ao T-DXd em outubro, a partir desses resultados iniciais.

No ensaio de fase II, Krop e colegas inscreveram 253 pacientes com câncer de mama metastático HER2 positivo previamente tratados com T-DM1. O estudo teve três partes, I, IIa e IIb e, no total, 184 pacientes receberam a dose recomendada de fase II (RP2D) de 5,4 mg/kg de T-DXd. Os pacientes inscritos receberam em média seis tratamentos anteriores para doença avançada, incluindo terapias-alvo anti- HER2.

A taxa de resposta global nos 184 pacientes que receberam a dose RP2D foi de 60,9%, com 6% de respostas completas e 54,9 % de respostas parciais. A mediana de sobrevida livre de progressão foi de 16,4 meses. "Ambas as medidas de eficácia são substancialmente superiores às observadas em qualquer outro estudo envolvendo pacientes com câncer de mama metastático HER2 positivo previamente tratadas", disse Krop.

A taxa de controle da doença nos 184 pacientes foi de 97%. "Isso sugere que a grande maioria dos tumores nessa população parece ter pelo menos alguma sensibilidade a esse agente", observou Krop. A taxa de resposta objetiva ao T-DXd foi independente do status do receptor hormonal do tumor, exposição prévia a pertuzumabe e histórico de metástases cerebrais.

Em relação ao perfil de segurança, 99% dos pacientes tiveram eventos adversos relacionados ao tratamento e 57% experimentaram eventos de grau 3 ou superior, incluindo diminuição de contagem de neutrófilos, náusea, anemia, diminuição da contagem de linfócitos e fadiga; 15% dos pacientes interromperam o tratamento por toxicidade. Foi observada doença pulmonar intersticial (DPI) em 25 pacientes. "A DPI é uma preocupação séria em pacientes tratados com T-DXd", explicou Krop. “Embora esses eventos tenham sido primariamente de grau 1 ou 2, ocorreram quatro mortes no estudo relacionadas a DPI (2,2%). Devido a essa potencial toxicidade, é necessário monitorar de perto os sinais e sintomas de DPI para detecção precoce. Se houver suspeita, as avaliações devem incluir TC de alta resolução, consulta com pneumologista e testes de função pulmonar, entre outros”, recomendou.

O especialista também destacou que a recomendação na ocorrência de DPI é a interrupção de T-DXd e a intervenção imediata com glicocorticoides.

“A alta taxa de respostas duráveis ​​observada com trastuzumabe-deruxtecano em pacientes que progrediram a T- DM1 e a outras terapias sugerem que esse agente pode fornecer nova opção de tratamento para essa população de pacientes. Uma limitação do estudo é que foi um ensaio de braço único e, portanto, não é possível determinar se T-DXd é mais eficaz do que outras terapias”, concluiu Krop.

O ensaio DESTINY-Breast01 está registrado na plataforma Clinical Trials (NCT02564900).

Referência: GS1-03[Fam-] trastuzumab deruxtecan (T-DXd; DS-8201a) in subjects with HER2-positive metastatic breast cancer previouslytreated with T-DM1: A phase 2, multicenter, open-label study (DESTINY-Breast01)

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519