25112020Qua
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

ASCO GI 2019

Terapia anti-HER2, anti-PD-1 e quimioterapia no adenocarcinoma esofagogástrico HER2+

Duilio NET OKEstudo de fase II apresentado no ASCO GI 2019 avaliou a eficácia e segurança do tratamento em primeira linha do adenocarcinoma esofagogástrico metastático HER2-positivo com a combinação de pembrolizumabe, trastuzumabe, capecitabina e oxaliplatina. “Apesar de ser um estudo pequeno e sem impacto imediato na prática clínica, os dados são muito provocadores”, avalia o oncologista Duílio Reis da Rocha Filho (foto), chefe do serviço de oncologia clínica do Hospital Universitário Walter Cantídio, da Universidade Federal do Ceará, e consultor científico do Grupo Brasileiro de Tumores Gastrointestinais (GTG).

Pacientes com tumores HER2-positivo IHC 3+ ou FISH+ não tratados previamente, independentemente do estado de PD-L1, receberam pembrolizumabe (P) dose fixa 200 mg, trastuzumabe (T) 6 mg/kg (após indução com 8 mg/kg), oxaliplatina (O) 130 mg/m2 a cada 3 semanas e capecitabina (C) oral C 850 mg/m2 2 semanas com 1 semana de intervalo (ou 5-FU infusão contínua). O endpoint primário foi a sobrevida livre de progressão em 6 meses; com recrutamento alvo de 37 pacientes. Os endpoints secundários incluíram segurança, sobrevida global, taxa de resposta objetiva, análise exploratória de biomarcadores e 89Zr-trastuzumabe PET.

Resultados

Entre os 24 pacientes avaliados, 100% tiveram regressão tumoral (variando de -22% a -100%). A taxa de resposta objetiva (ORR) RECIST 1.1 foi de 83% [95% IC: 63% - 95%] (17 PR, 3 CRs), mediana de SLP 11,4 [95% IC: 6-15] meses. Em 31 pacientes avaliáveis ​​para toxicidade, eventos adversos comuns (> 10%) incluíram fadiga grau 2 (35%), náusea graus 2/3 (35%), diarreia grau 2 (26%), elevação de AST/ALT grau 2 (16%), e neutropenia grau 2 (16%). Toxicidades imunológicas observadas (um paciente cada) foram colite grau 2, nefrite intersticial grau 3, elevação de AST/ALT grau 3; todos resolvidos com esteroides.

Entre os 21 pacientes com material disponível, 6 (29%) expressaram PD-L1. Destes 6 pacientes, 5 tiveram resposta parcial, enquanto um paciente apresentou resposta completa. A amplificação de ERBB2 foi evidente em NGS em 56% dos tumores pré-tratamento de 25 pacientes testados, enquanto os restantes foram ERBB2- por NGS, provavelmente devido a heterogeneidade tumoral ou baixo conteúdo tumoral. Mutações no TP53 e alterações no KRAS ocorreram em 68% e 16% dos pacientes, respectivamente.

Para identificar mecanismos de resistência adquirida, os pacientes foram biopsiados na progressão. Em 6 amostras de análise pareadas, foram identificados dois pacientes com perda da amplificação de ERBB2 à progressão.

“Os dados se comparam de forma favorável com o reportado no estudo ToGA (Lancet 2010; 376: 687–97), que validou o emprego de trastuzumabe em adição à quimioterapia na primeira linha de tratamento de tumores de estômago ou junção esofagogástrica, e mostrou TR 47% e SLP mediana 6,7 meses”, observa Duílio.

Segundo o especialista, os dados sugerem sinergismo entre a terapia anti-PD1 e anti-HER2, possivelmente mediada pela ativação de células T e pelo aumento da atividade citotóxica dependente de anticorpo. “Não havia tumores com instabilidade de microssatélites entre as amostras testadas, o que afasta um fator de confusão. O estudo se soma aos estudos KEYNOTE-059, ATTRACTION-2 e KEYNOTE-181, que mostraram atividade da imunoterapia em tumores esofagogástricos, e sugere papel da terapia anti-PD1 também no manejo inicial da doença avançada”, afirma.

Esses resultados preliminares promissores de segurança e eficácia levaram ao início de um ensaio definitivo de fase III do Keynote 811. “É um estudo muito pequeno, mas provocador. Agora, aguardamos com entusiasmo os resultados do estudo KEYNOTE-811, fase III que avaliará essa estratégia”, conclui Duílio.

Informação de ensaio clínico: NCT02954536

Referência:  First-line pembrolizumab (P), trastuzumab (T), capecitabine (C) and oxaliplatin (O) in HER2-positive metastatic esophagogastric adenocarcinoma (mEGA) - J Clin Oncol 37, 2019 (suppl 4; abstr 62) - Yelena Yuriy Janjigian et al

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519