24112020Ter
AtualizadoSeg, 23 Nov 2020 9pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

ASCO 2019

Caquexia em sobreviventes de CEC de cabeça e pescoço

ON28 PG4 ENTREVISTA GILBERTO CASTRO 2 NET OKO oncologista Gilberto Castro (foto) é o primeiro autor de estudo que avaliou a caquexia em sobreviventes de CEC de cabeça e pescoço tratados com quimiorradioterapia baseada em cisplatina (CRT). Aceito para publicação eletrônica na ASCO 2019, o trabalho reflete a experiência do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) com 120 pacientes atendidos entre janeiro de 2014 e fevereiro de 2017.

Neste estudo transversal, foram inscritos pacientes tratados com CRT definitiva ou adjuvante para CEC de cabeça e pescoço - nasofaringe, orofaringe (OP), cavidade oral (CO), hipofaringe e laringe (L). Foram elegíveis pacientes em acompanhamento regular por pelo menos 2 anos na equipe multidisciplinar, sem evidência de doença.

Anamnese, peso corporal, estatura, circunferência muscular do braço (MAMC, do inglês mid-arm muscle circumference) e força muscular (MS, dinamômetro de preensão) foram medidos para a análise, além de testes laboratoriais (hemoglobina (Hb), albumina e proteína C-reativa (PCR).

A caquexia foi diagnosticada quando houve perda de peso no ano anterior e pelo menos três dos seguintes: redução da força muscular de preensão, fadiga, anorexia, baixa massa corporal magra ou alterações laboratoriais (Hb <12 g / dL, albumina sérica < 3,2 g / dL ou CRP> 5,0 mg / l). Uma avaliação do estado nutricional foi feita com base na Avaliação Global Subjetiva Gerada pelo Paciente (PG-SGA) em sua forma abreviada.

Resultados

A idade média foi de 59 anos (21-78), 88 homens (73%). Os tumores primários mais comuns foram OP (42%), L (24%) e CO (19%). O acompanhamento médio foi de 42 meses. (24-125). Houve predomínio da doença localmente avançada ao diagnóstico: 73% T3 / T4 e 72% N+.

Os autores descrevem que o peso médio foi de 64,5 kg (± 14,6) pré-TRC, 57,8 kg (± 12,2) pós-TRC (p <0,02) e 63 kg (± 11,8) na presente avaliação (p= NS). A disfagia foi uma queixa em 88 pacientes (73%). A caquexia foi diagnosticada em 42 pacientes (35%). “Como esperado, os pacientes caquéticos apresentaram menor MAMC (25,1 vs. 27,2 cm, p = 0,0002) e MS (24,3 vs. 29,5 kgf, p = 0,004). A PCR média mais elevada (12,7 vs. 4,2 mg / L, p 0,0001) e a Hb mais baixa (13,1 vs.13,9 g / dL, p 0,01) também foram observadas em pacientes com caquexia. O escore PG-ASG foi maior na PC (7,9 vs. 5,7, p 0,006).

Em conclusão, a caquexia foi frequentemente diagnosticada em pacientes com CEC de cabeça e pescoço após CRT em um acompanhamento a longo prazo, sem perda de peso evidente. Estratégias preventivas e terapêuticas mais eficazes são necessárias.

Referências: Abstract e23138: Cachexia in head and neck squamous cell carcinoma (HNSCC) patients (pts) after cisplatin-based chemoradiation (CRT): A cross-sectional study. - Gilberto Castro et al - J Clin Oncol 37, 2019 (suppl; abstr e23138)

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519