25112020Qua
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

AACR 2019

Assinaturas prognósticas no câncer de cabeça e pescoço

ariane lopes bxAriane F. Busso-Lopes (foto) é primeira autora de estudo brasileiro apresentado no AACR 2019, que discute potenciais assinaturas proteicas associadas ao prognóstico do carcinoma espinocelular de cabeça e pescoço (CECP).

Embora a metástase linfonodal seja o principal fator prognóstico em pacientes com CECP, os sinais moleculares envolvidos nesse processo são pouco caracterizados e marcadores moleculares não são utilizados na prática clínica. “Recentemente, o câncer está sendo visto como um ecossistema, no qual células tumorais cooperam umas com as outras e hospedam células em seu microambiente”, descrevem os pesquisadores. “Neste trabalho, mapeamos o proteoma de ecossistemas de tumores primários e linfonodos pareados, isolando células malignas e não malignas, para entender melhor os mecanismos subjacentes à metástase linfonodal”, esclarecem.

Neste estudo, foram utilizados tumores primários de parafina fixados em formol (FFPE) e linfonodos pareados de 27 pacientes com CECP positivos (N +, n = 13) e negativos (N0, n = 14) para metástases linfonodais usando microdissecção a laser combinada com proteômica baseada em espectrometria de massa.

Resultados

Uma média de 2.266 ± 216 proteínas foram identificadas em ecossistemas de tumores primários e linfonodos. Cento e cinco proteínas diferentemente abundantes de células malignas no sítio primário (N + vs N0) estiveram envolvidas principalmente na estabilidade e metabolismo do RNA, enquanto processos de inflamação e splicing, foram super-representados em N + vs N0 não tumorais de assinaturas celulares do tumor primário (N = 33) e sítios de linfonodos (N = 13) (teste t de Student; valor de P≤0,05), indicando assinaturas de metástases de linfonodos particulares para cada população celular. “Curiosamente, o padrão de proteínas das células malignas do sítio primário e dos linfonodos pareados mostrou um perfil individual de metástase. No entanto, o perfil de células não malignas não representou subpopulações específicas.

“Nossos dados revelam potenciais assinaturas proteicas associadas ao prognóstico em CECP, bem como a não especificidade dos padrões proteicos das células não malignas do hospedeiro, que podem estar relacionadas com falha da vigilância imunológica”, conclui o estudo. A pesquisa tem apoio financeiro da FAPESP e a apresentação no AACR acontece dia 3 de abril, das 8:00 AM às 12:00 PM (horário de Atlanta, EUA).

Referências: Session PO.CH03.01 - Cancer Proteomics - 4541 / 14 - Malignant and non-malignant cells from primary tumor and lymph node metastasis ecosystems show different behavior for patient-associated protein signatures in head and neck cancer

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519