25112020Qua
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

ESMO 2017

Estudo MIRO mostra vantagem da esofagectomia minimamente invasiva

Esofago NET OK 2Dados de longo prazo do estudo MIRO serão apresentados na ESMO 2017 e mostram que pacientes submetidos a esofagectomia minimamente invasiva apresentaram melhores resultados em comparação com a esofagectomia aberta no tratamento do câncer esofágico. Com seguimento mediano de 48,8 meses, os resultados maduros do estudo de fase III demonstram que o menor trauma cirúrgico associado à abordagem laparoscópica não reduziu a segurança oncológica.

 

“Além de uma redução de 69% na morbidade intra e pós-operatória, a sobrevida global em três anos foi melhor no grupo submetido à laparoscopia", disse Guillaume Piessen, do Hospital Universitário C. Huriez, na França, um dos autores do estudo. Embora a diferença de sobrevida não tenha sido estatisticamente significativa entre os grupos, Piessen considerou "de alta relevância clínica".

O estudo

Entre outubro de 2009 e abril de 2012, o ensaio multicêntrico, aberto, randomizado e controlado, inscreveu 207 pacientes entre 08 e 75 anos provenientes de 13 centros de tratamento. Os pacientes tinham câncer ressecável do terço médio ou inferior do esôfago e foram randomizados para esofagectomia aberta (EA, 104 pts) ou cirurgia de esofagectomia minimamente invasiva ( (MI, 103 pts).

A garantia de qualidade cirúrgica foi implementada através do credenciamento dos cirurgiões antes da inscrição, padronização da técnica e monitoramento do desempenho durante o estudo. A esofagectomia minimamente invasiva compreendeu o procedimento de Ivor Lewis com mobilização gástrica laparoscópica e toracotomia direita aberta.

O desfecho primário foi a morbidade pós-operatória graus II-IV em 30 dias, conforme definido pela classificação de Clavien-Dindo. Os endpoints secundários foram a mortalidade pós-operatória em 30 dias, sobrevida global e sobrevida livre de doença. A análise foi feita por intenção de tratar.

Resultados

Aos 30 dias, a morbidade pós-operatória foi significativamente menor em pacientes tratados com a cirurgia minimamente invasiva em comparação com o grupo que recebeu cirurgia aberta (35,9% versus 64,4%, odds ratio [OR] 0,31, 95% IC 0,18 - 0,55; p < 0,001).

Trinta e um (30,1%) pacientes com esofagectomia aberta apresentaram mais complicações pulmonares em comparação com 18 (17,7%) no grupo esofagectomia híbrida minimamente invasiva (p = 0, 037).

Em três anos também houve uma tendência de maior sobrevida global e sobrevida livre de doença no grupo tratado com MI (67,0% versus 55%, p = 0,05 e 57% versus 48%, p = 0,15). Os resultados mostram que a cirurgia minimamente invasiva é um procedimento sólido e deve se tornar o novo padrão para pacientes com câncer de esôfago médio e baixo, sustentam os autores.

Os dados do estudo MIRO serão apresentados na ESMO 2017 dia 8 de setembro por Guillaume Piessen, das 14h às 15h30 (CEST), no Barcelona Auditorium (Abstract 615O_PR).

O estudo foi financiado pelo Instituto Nacional do Câncer Francês (INCa). Identificação do ensaio clínico: NCT00937456

Referência: Abstract 615O_PR - 'Hybrid Minimally Invasive vs. Open Esophagectomy for patients with Esophageal Cancer: Long-term outcomes of a multicenter, open-label, randomized phase III controlled trial, the MIRO trial'

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519