20042021Ter
AtualizadoSeg, 19 Abr 2021 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Reconhecimento em cuidados paliativos

André Junqueira IDEA PC NET OKO médico André Filipe Junqueira dos Santos (foto), vice-presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP), é o primeiro brasileiro a receber o International Development and Education Award in Palliative Care (IDEA-PC), concedido pela Conquer Cancer Foundation como reconhecimento pelo trabalho desenvolvido em cuidados paliativos. Criado em 2011, o prêmio foi entregue durante a ASCO 2017.

Foto: © ASCO/Danny Morton 2017

A escolha levou em consideração a produção científica e o impacto do trabalho do médico na área de cuidados paliativos. “Atendemos cerca de 500 pacientes por ano em um serviço público de emergência, sendo que os pacientes de câncer correspondem a quase 60% desse número”, afirma o geriatra, coordenador do Serviço de Cuidados Paliativos da Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HCFMRP), da USP, e médico no Instituto Oncológico de Ribeirão Preto (InORP).

Intercâmbio

Os premiados têm a oportunidade de participar do Extended Tour Award (ETA) e conhecer outros centros de cuidados paliativos nos Estados Unidos. O médico brasileiro passou três dias conhecendo o trabalho de cuidados paliativos desenvolvido na Universidade de Stanford, Califórnia. “O que mais chamou a atenção é o cuidado com o paciente. A medicina de uma maneira geral é bem equivalente ao que praticamos no Brasil. Claro que o acesso aos recursos às vezes é diferente, mas o que me chamou muito a atenção foi realmente o cuidado”, diz.

Segundo o especialista, em Stanford os cuidados paliativos estão cada vez mais sendo incorporados ao cuidado integral com o paciente, da atenção à abordagem inicial do paciente, passando pelo controle dos sintomas, até a assistência ao luto das famílias daqueles que vão à óbito. “A equipe de Cuidados Paliativos, por exemplo, envia um cartão de condolências para as famílias, procurando oferecer uma assistência ao luto. O trabalho não termina com a morte do paciente. Isso realmente me chamou a atenção. São coisas simples de implementar no Brasil e que não necessitam de um grande investimento”, afirma.

Em 2017, a ASCO atualizou suas diretrizes de cuidados paliativos1 (aqui), recomendando que pacientes com câncer metastático recebam cuidados paliativos em até 8 semanas a partir do diagnóstico, além de intervenções para controle de sintomas em qualquer cenário da doença.

No encontro de Chicago, vários estudos abordaram a questão dos cuidados paliativos e qualidade de vida do paciente. Apresentado em Sessão Plenária, um estudo clínico randomizado2 (LBA2) avaliou a ferramenta Symptom Tracking and Reporting (STAR), uma plataforma online para monitorar os sintomas de pacientes com câncer metastático, e mostrou que a gestão de sintomas aumentou a sobrevida global em 5,2 meses. “É o reconhecimento do valor que o cuidado paliativo agrega ao tratamento. Se fosse uma nova droga, valeria alguns milhões de dólares”, diz.

Cenário nacional

Desenvolvido pela Worldwide Palliative Care Alliance (WPCA), da Organização Mundial da Saúde, o WHO Global Atlas of Palliative Care at the End of Life3 (aqui www.thewpca.org) atribui uma classificação para os países em relação ao desenvolvimento dos cuidados paliativos. A nota 1 compreende países sem qualquer atendimento paliativo, enquanto nota 4b indica países com alto nível de integração e oferta de serviços. O Brasil aparece na posição 3a, reservada a países com atendimentos isolados, de alcance irregular, com número insuficiente de serviços para o tamanho da população. “Nós temos ilhas de excelência. A oncologia brasileira segue parâmetros internacionais, mas em relação aos cuidados paliativos ainda estamos aquém do que é praticado em muitos países” comenta.

O especialista acredita que para melhorar a atenção ao paciente é preciso investir na formação de profissionais de saúde, promover o gerenciamento e capacitação dos hospitais e disseminar informação. “Esse tripé é fundamental. É preciso trabalhar lá no começo, na graduação, para fomentar a discussão e estabelecer uma matriz de treinamento. Acho que está havendo uma mudança, a partir de iniciativas individuais, que lentamente caminha para o coletivo. Me formei há 7 anos, e fui ter contato com cuidados paliativos no final da minha residência. Hoje, muitos alunos de graduação já têm acesso à especialidade. Mas não adianta ter profissional capacitado e não ter onde atuar. Além disso, também é preciso esclarecer que cuidado paliativo não é cuidado de fim de vida. É muito mais que isso”, diz.

Referências:

1 - Integration of Palliative Care Into Standard Oncology Care: American Society of Clinical Oncology Clinical Practice Guideline Update - DOI: 10.1200/JCO.2016.70.1474 Journal of Clinical Oncology 35, no. 1 (January 2017) 96-112.

2 - Abstract LBA2: Overall survival results of a randomized trial assessing patient-reported outcomes for symptom monitoring during routine cancer treatment. - Ethan M. Basch et al - Citation: J Clin Oncol 35, 2017 (suppl; abstr LBA2)

3 - WHO Global Atlas on Palliative Care At the End of Life

he End of Life’

Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519