28112021Dom
AtualizadoSáb, 27 Nov 2021 11pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

2016

Ibuprofeno e risco de câncer de pulmão

Pulm__o_Horiz_NET_OK.jpgO uso regular de ibuprofeno pode reduzir o risco de câncer de pulmão entre indivíduos com história de tabagismo que integram os subgrupos de alto risco. É o que mostra estudo prospectivo apresentado na 17ª Conferência Mundial de Câncer de Pulmão (WCLC), em Viena. Para testar se um anti-inflamatórios não-esteróides (AINE) pode reduzir o risco de câncer de pulmão, Marisa Bittoni e seus colegas da Universidade de Ohio examinaram dados de 10.735 participantes inscritos no terceiro National Health and Nutrition Examination Survey ou NHANES III.
 
É amplamente estabelecido que a inflamação crônica aumenta o risco de câncer de pulmão e medicamentos que reduzem a inflamação têm demonstrado reduzir esse risco. No entanto, poucos estudos prospectivos examinaram associações entre câncer de pulmão e anti-inflamatórios não-esteróides.
 
Os dados sobre tabagismo, uso de AINEs e outras variáveis ​​de estilo de vida foram recolhidos no baseline para 10.735 participantes entre 1988-1994. A mortalidade por causa determinada foi estimada através da correspondência probabilística utilizando o Índice Nacional de Morte. Os modelos de regressão proporcional de Cox foram utilizados para estimar a associação entre o uso de AINEs e mortalidade por câncer de pulmão, com ajuste para tabagismo atual e outras variáveis.
 
Após mais de 18 anos de seguimento, 269 indivíduos morreram de câncer de pulmão, dos quais 252 (93,6%) relataram história de tabagismo. Uma vez que todos os casos fatais de câncer de pulmão, exceto 17 dos 269 casos fatais, ocorreram entre fumantes atuais ou ex-fumantes, estimativas de efeitos NSAID foram determinadas a partir de uma sub-coorte de 5.882 indivíduos que relataram história de tabagismo passado ou atual.
 
O estudo apresentado em Viena identificou que dados prospectivos da NHANES III mostraram que o consumo de ibuprofeno foi associado a uma redução substancial (48%) no risco de morte por câncer de pulmão entre adultos com história de tabagismo passado ou atual. Os efeitos da aspirina e do paracetamol não foram estatisticamente significativos. "Estes resultados sugerem que o uso regular de certos AINEs pode ser benéfico para subgrupos de alto risco de fumantes como uma estratégia de prevenção", concluiu a pesquisadora.
 

 
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519