30072021Sex
AtualizadoQui, 29 Jul 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Ganho histórico de sobrevida no melanoma metastático

Buzaid_Portal.jpgMais de um terço dos pacientes com melanoma metastático (34%) que receberam o anti-PD-1 nivolumabe (Opdivo®) permanecem vivos cinco anos após o início do tratamento. É o que mostra estudo apresentado no congresso anual da AACR 2016. O oncologista Antonio Carlos Buzaid (foto), chefe-geral do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, e membro do comitê gestor do Centro de Oncologia e Hematologia Dayan-Daycoval, do Hospital Israelita Albert Einstein, comenta com exclusividade para o Onconews.

"Vários tratamentos podem resultar em sobrevida de longo prazo com potencial de cura. Por exemplo, IL-2 em doses altas da ordem de 4%, bioquimioterapia da ordem de 5% a 8%, ipilimumabe, com cerca de 20%, e agora nivolumabe, com sobrevida da ordem de 34%. Claramente estamos fazendo progressos. A barra está subindo", afirma Buzaid. 

Os resultados superam a taxa histórica de sobrevida em 5 anos, que de 2005 a 2001 foi de 16,6% nos Estados Unidos, de acordo com dados do SEER.

"Esta é a primeira análise de longo prazo com a imunoterapia anti-PD-1 e é muito encorajador constatar que um subgrupo de pacientes com melanoma metastático tem experimentado benefício de sobrevida, com resultados duradouros", disse Stephen Hodi, diretor do Centro de melanoma do Dana-Farber Cancer Institute, líder da investigação.

Os pesquisadores acompanharam 107 pacientes, com um tempo mínimo de 45 meses de seguimento após a primeira dose de nivolumabe. As taxas de sobrevida global (SG) foram semelhantes para os 17 pacientes que receberam a dose de 3 mg/kg e o restante dos 90 pacientes tratados com outras doses do anti PD-1 (0,1 mg, 0,3 mg, 1 mg e 10 mg / kg). 

No entanto, variações significativas foram observadas em tempos diferentes de follow-up. Aos 12 meses, a SG em pacientes que receberam 3 mg / kg  foi de 64,7 %, mas caiu para 47,1%,  41,2%  e 35,3%  em 24, 36 e 48 meses, respectivamente. Após esse período, a taxa de sobrevida se estabilizou. A SG mediana foi de 20,3 meses para aqueles que receberam a dose de 3 mg / kg, contra 17,3 meses em todos os 107 pacientes.
 
Aos 30 meses após o tratamento inicial, as taxas de sobrevida livre de progressão (SLP) foram de 25,7% para aqueles que receberam 3 mg/kg de nivolumabe e de 18,6% para os demais pacientes avaliados.
 
"São dados que fornecem uma base para estebelecer a terapia  anti-PD-1 como padrão de tratamento para pacientes com melanoma", disse Hodi.
 
O estudo foi financiado pela Bristol-Myers Squibb.
 
O encontro anual da American Association for Cancer Research (AACR) acontece de 16 a 20 de abril no Ernest N. Morial Convention Center, em New Orleans.

Taxas de Sobrevida Global

  NIVO 3 mg/kg (n=17) Todos os pacientes (n=107)
Taxa de sobrevida global, % (95% CI)*    
12 meses 64,7 (37,7-82,3) 62,7 (52,6-71,2)
24 meses 47,1 (23,0-68,0) 48,0 (38,1-57,2)
36 meses 41,2 (18,6-62,6) 42,1 (32,4-51,4)
48 meses 35,3 (14,5-57,0) 34,8 (25,7-44,1)
60 meses 35,3 (14,5-57,0) 33,6 (24,6-42,9)
Mediana de sobrevida global, meses (95% CI) 20,3 (7,2-NR) 17,3 (12,5-37,8)
Bseado em estimativas Kaplan-Meyer
NR, não alcançado
   


Referências: Durable, long-term survival in previously treated patients with advanced melanoma (MEL) who received nivolumab (NIVO) monotherapy in a phase I trial

Leia mais sobre a AACR 2016: Postergar a radioterapia aumenta risco de tumores da mama ipsilateral em mulheres com CDIS 
Pembrolizumab mostra resposta duradoura em carcinoma de células de Merkel avançado
Nutrição e câncer: novas evidências 
Palbociclib no câncer de mama inicial
Antiangiogênico em LLC

 

Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519