28112020Sáb
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Ganho histórico de sobrevida no melanoma metastático

Buzaid_Portal.jpgMais de um terço dos pacientes com melanoma metastático (34%) que receberam o anti-PD-1 nivolumabe (Opdivo®) permanecem vivos cinco anos após o início do tratamento. É o que mostra estudo apresentado no congresso anual da AACR 2016. O oncologista Antonio Carlos Buzaid (foto), chefe-geral do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, e membro do comitê gestor do Centro de Oncologia e Hematologia Dayan-Daycoval, do Hospital Israelita Albert Einstein, comenta com exclusividade para o Onconews.

"Vários tratamentos podem resultar em sobrevida de longo prazo com potencial de cura. Por exemplo, IL-2 em doses altas da ordem de 4%, bioquimioterapia da ordem de 5% a 8%, ipilimumabe, com cerca de 20%, e agora nivolumabe, com sobrevida da ordem de 34%. Claramente estamos fazendo progressos. A barra está subindo", afirma Buzaid. 

Os resultados superam a taxa histórica de sobrevida em 5 anos, que de 2005 a 2001 foi de 16,6% nos Estados Unidos, de acordo com dados do SEER.

"Esta é a primeira análise de longo prazo com a imunoterapia anti-PD-1 e é muito encorajador constatar que um subgrupo de pacientes com melanoma metastático tem experimentado benefício de sobrevida, com resultados duradouros", disse Stephen Hodi, diretor do Centro de melanoma do Dana-Farber Cancer Institute, líder da investigação.

Os pesquisadores acompanharam 107 pacientes, com um tempo mínimo de 45 meses de seguimento após a primeira dose de nivolumabe. As taxas de sobrevida global (SG) foram semelhantes para os 17 pacientes que receberam a dose de 3 mg/kg e o restante dos 90 pacientes tratados com outras doses do anti PD-1 (0,1 mg, 0,3 mg, 1 mg e 10 mg / kg). 

No entanto, variações significativas foram observadas em tempos diferentes de follow-up. Aos 12 meses, a SG em pacientes que receberam 3 mg / kg  foi de 64,7 %, mas caiu para 47,1%,  41,2%  e 35,3%  em 24, 36 e 48 meses, respectivamente. Após esse período, a taxa de sobrevida se estabilizou. A SG mediana foi de 20,3 meses para aqueles que receberam a dose de 3 mg / kg, contra 17,3 meses em todos os 107 pacientes.
 
Aos 30 meses após o tratamento inicial, as taxas de sobrevida livre de progressão (SLP) foram de 25,7% para aqueles que receberam 3 mg/kg de nivolumabe e de 18,6% para os demais pacientes avaliados.
 
"São dados que fornecem uma base para estebelecer a terapia  anti-PD-1 como padrão de tratamento para pacientes com melanoma", disse Hodi.
 
O estudo foi financiado pela Bristol-Myers Squibb.
 
O encontro anual da American Association for Cancer Research (AACR) acontece de 16 a 20 de abril no Ernest N. Morial Convention Center, em New Orleans.

Taxas de Sobrevida Global

  NIVO 3 mg/kg (n=17) Todos os pacientes (n=107)
Taxa de sobrevida global, % (95% CI)*    
12 meses 64,7 (37,7-82,3) 62,7 (52,6-71,2)
24 meses 47,1 (23,0-68,0) 48,0 (38,1-57,2)
36 meses 41,2 (18,6-62,6) 42,1 (32,4-51,4)
48 meses 35,3 (14,5-57,0) 34,8 (25,7-44,1)
60 meses 35,3 (14,5-57,0) 33,6 (24,6-42,9)
Mediana de sobrevida global, meses (95% CI) 20,3 (7,2-NR) 17,3 (12,5-37,8)
Bseado em estimativas Kaplan-Meyer
NR, não alcançado
   


Referências: Durable, long-term survival in previously treated patients with advanced melanoma (MEL) who received nivolumab (NIVO) monotherapy in a phase I trial

Leia mais sobre a AACR 2016: Postergar a radioterapia aumenta risco de tumores da mama ipsilateral em mulheres com CDIS 
Pembrolizumab mostra resposta duradoura em carcinoma de células de Merkel avançado
Nutrição e câncer: novas evidências 
Palbociclib no câncer de mama inicial
Antiangiogênico em LLC

 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519