28112021Dom
AtualizadoSáb, 27 Nov 2021 11pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Gene AMBRA1, autofagia e apoptose celulares

Murad 2019 bxEm mais um tópico da coluna Drops de Genômica, o oncologista André Murad* (foto) discute a função do gene AMBRA1 e sua relação com a autofagia e apoptose celulares. Confira.

Vários estudos recentes sugerem que a autofagia exerce um papel protetor tumoral no tratamento do câncer, e pode até estar envolvida na resistência aos agentes antineoplásicos empregados. Paralelamente, há uma associação complexa entre autofagia e a apoptose: esses dois processos podem se regular e se transformar mutuamente para determinar o destino de uma célula, dependendo do contexto biológico temporal.

A ativação da molécula na proteína 1 autofágica regulada por Beclin 1 (AMBRA1) é um fator importante na interação entre a autofagia e a apoptose. O nível de expressão e as distribuições intracelulares da proteína AMBRA1, codificada pelo gene AMBRA1, podem controlar o equilíbrio e a conversão entre autofagia e apoptose e modificar a eficácia, por exemplo, dos agentes quimioterápicos. Portanto, o gene codificador de AMBRA1 pode ser considerado como um supressor de tumores.

A proteína AMBRA1, consequentemente, pode servir como um novo alvo para o tratamento do câncer, particularmente com o objetivo de se superar a resistência aos medicamentos antineoplásicos. Adicionalmente, estudos mais recentes demonstram que AMBRA1 marca outras proteínas envolvidas na divisão de células (conhecidas como ciclinas) para destruição quando a divisão celular não é necessária. 

Quando o gene que produz AMBRA1 sofre uma perda de função e a proteína está ausente ou não atua corretamente, o ciclo celular perde um de seus principais freios, o que concorre para que a espiral de divisão celular fique fora de controle. Verificou-se que a perda da proteína AMBRA1 pode levar tanto à formação de tumores em camundongos, quanto alterar a história natural de vários tumores sólidos em humanos, sendo correlacionada com seu pior prognóstico e também sua resistência aos inibidores de CDK4/6.

Estudos futuros serão necessários para se testar estratégias de reversão da resistência aos inibidores de CDK4/6 causada pela perda de função do AMBRA1. Uma possibilidade particularmente promissora é o uso concomitante de inibidores de CHK1 (Checkpoint kinase 1) aos inibidores CDK4/6, para tumores que apresentem baixos níveis da proteína AMBRA1. 

drops ambra1 jpg

*André Murad é diretor científico do Grupo Brasileiro de Oncologia de Precisão (GBOP), diretor clínico da Personal - Oncologia de Precisão e Personalizada, professor adjunto coordenador da Disciplina de Oncologia da Faculdade de Medicina da UFMG, e oncologista e oncogeneticista da CETTRO Oncologia (DF)

Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250

Estudos Clínicos

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG) espera incluir 300 participantes em um estudo observacional que pretende levantar dados de mundo real (real world data) no tratamento de primeira linha do câncer de mama metastático receptor hormonal positivo, HER 2 negativo. Este estudo foi um dos selecionados para suporte pelo Programa BRAVE com apoio da Novartis Brasil.

Leia Mais

Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519