15042024Seg
AtualizadoSex, 12 Abr 2024 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Drops de genômica

Entendendo os RNAs Circulares

Murad 2019 bxEm mais um tópico da coluna ‘Drops de Genômica’, o oncologista Andre Murad (foto) explica o que são RNAs circulares (circRNA), uma classe de RNA que forma uma alça contínua covalentemente fechada. Confira.

Por André Marcio Murad*

RNAs circulares (circRNA) são uma classe de RNA, natural ou sintético e de fita simples que, diferentemente do RNA linear, forma uma alça contínua covalentemente fechada. No RNA circular, as extremidades 3' e 5' normalmente presentes em uma molécula de RNA são  unidas. Esta característica confere inúmeras propriedades ao RNA circular, muitas das quais foram identificadas apenas recentemente.

Suas estruturas únicas de circRNA covalentemente fechadas previnem a degradação do RNA por exonucleases, caracterizando-as assim pela alta bioestabilidade em relação ao atual mRNA linear padrão. O circRNA natural pode ser RNA não codificador, bem como RNA codificador de proteínas, esse último somente descoberto recentemente.

As funções fisiológicas dos circRNAs biogênicos ou naturais, que permanecem em grande parte ainda desconhecidas, incluem geração de esponjas de proteínas e genes moduladores de atividade celular e tradução de proteínas, inclusive algumas ligadas à carcinogênese e à apoptose de células tumorais.

A descoberta de que os circRNA podem ser correlacionados a várias doenças humanas, incluindo o câncer, confere a eles o potencial de se tornar um novo tipo de biomarcador de doenças, além de ser uma potencial classe não canônica de alvos terapêuticos, inclusive para drogas antineoplásicas.

Recentemente, o circRNA sintético foi projetado para que suas aplicações como uma nova classe de terapias e vacinas de mRNA possam ser exploradas.

rna circular
A figura representativa mostra o “splicing” de mRNA maduro e a biogênese canônica correspondente de circRNAs que pode incluir:
B.1) emenda reversa direta;
B.2) Circularização conduzida por emparelhamento de íntrons;
B.3) laço de íntron resistente à desramificação;
B.4) circularização orientada por lariat (salto de exon).

*André Murad é diretor científico do Grupo Brasileiro de Oncologia de Precisão (GBOP), diretor clínico da Personal - Oncologia de Precisão e Personalizada, professor adjunto coordenador da Disciplina de Oncologia da Faculdade de Medicina da UFMG, e oncologista e oncogeneticista da CETTRO Oncologia (DF)
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519