27092021Seg
AtualizadoSex, 24 Set 2021 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Cardiotoxicidade

Toxicidade cardíaca e ciclofosfamida pós-transplante alogênico

ariane 2020 bxResultados de estudo de coorte retrospectivo reportados no Journal of American College of CardioOncology (JACC) por Duléry et al. mostram que a ciclofosfamida pós-transplante foi associada a um risco significativamente aumentado de eventos cardíacos em pacientes que receberam transplante de células-tronco hematopoiéticas alogênico (TCTH). Quem comenta o trabalho é a cardio-oncologista Ariane Vieira Scarlatelli Macedo (foto), vice-presidente do Grupo de Estudos de Cardio-Oncologia da Sociedade Brasileira de Cardiologia e coordenadora nacional da cardio-oncologia da Rede D’Or.

A ciclofosfamida pós-transplante (PT-Cy) tornou-se um padrão de tratamento no TCTH para reduzir o risco de doença do enxerto contra o hospedeiro. No entanto, dados sobre eventos cardíacos associados são escassos, sustenta a publicação. Neste estudo, foram incluídos 331 pacientes consecutivos que receberam ciclofosfamida pós-transplante TCTH alogênico para neoplasias hematológicas, tratados no Hospital Saint-Antoine (Paris), entre janeiro de 2013 e junho de 2018.   O estudo comparou os resultados clínicos entre pacientes que receberam PT-Cy (n = 136) e aqueles que não receberam (n = 195), com foco em eventos cardíacos precoces (ECP) nos primeiros 100 dias após TCTH.

Resultados

Os autores reportam que a incidência cumulativa de eventos cardíacos precoces (ECP) foi de 19% no grupo PT-Cy e de 6% no grupo sem PT-Cy (p <0,001), principalmente disfunção sistólica ventricular esquerda (13%), edema pulmonar agudo (7%), pericardite (4%), arritmia (3%) e síndrome coronariana aguda (2%). Fatores de risco cardiovascular não foram associados à ocorrência de ECP. Na análise multivariável, o uso de PT-Cy foi associado à ECP (razão de risco: 2,7; intervalo de confiança de 95%: 1,4 a 4,9; p = 0,002]. Idade avançada, regime de condicionamento sequencial e exposição a Cy antes do TCTH também foram associados a maior incidência de ECP. Eventos cardíacos antes do TCTH e ECP tiveram impacto prejudicial na sobrevida global.

“A ciclofosfamida pós-transplante foi associada a maior incidência de ECP nos primeiros 100 dias do TCTH. Pacientes que tiveram ocorrência de evento cardíaco pós-TCTH apresentaram menor sobrevida global”, concluem os autores, acrescentando que esses resultados podem ajudar a melhorar a seleção de pacientes elegíveis para o TCTH com PT-Cy, especialmente pacientes idosos e aqueles com exposição prévia a ciclofosfamida.

Dados importantes sobre a associação de eventos cardíacos precoces e uso de ciclofosfamida

Por Ariane Vieira Scarlatelli Macedo

A ciclofosfamida em altas doses é há muito reconhecida como a causa de complicações cardíacas graves e potencialmente fatais com o transplante de células hematopoiéticas.

O estudo Duléry et al fornecem dados importantes sobre a associação de eventos cardíacos precoces e uso de ciclofosfamida. Os autores realizaram um estudo retrospectivo detalhado comparando eventos cardíacos em pacientes que receberam ou não a ciclofosfamida. Embora não tenha havido diferenças nos resultados de sobrevivência entre os grupos a cardiotoxicidade foi associada a uma sobrevida significativamente pior (razão de risco: 2,7; p <0,0001).

Há uma escassez de estudos avaliando os efeitos cardiovasculares (CV) com uso de alta dose de ciclofosfamida na era moderna, e este artigo é o primeiro que compara especificamente eventos cardíacos em pacientes que recebem ou não ciclofosfamida em uma coorte contemporânea.

No entanto, existem limitações. Um dos desafios de estudar os efeitos CV em transplante de medula é atribuir causalidade, dada a multiplicidade de eventos de confusão, pois a disfunção ventricular esquerda pode estar associada a complicações da síndrome de liberação de citocinas, aumento de infecção / sepse, que podem contribuir para miocardiopatia. Além disso, a contribuição da injeção de grandes volumes de liquídos exigida por regimes de ciclofosfamida de alta dose, insuficiência renal concomitante, hipoalbuminemia e distúrbios eletrolíticos são todos fatores importantes a serem levados em consideração ao considerar os resultados deste estudo.

Há necessidade de definir preditores de cardiotoxicidade em pacientes que recebem ciclcofosfamida. Duléry et al. não encontraram nenhuma associação de fatores de risco CV tradicionais, antraciclinas ou radiação com eventos cardiovasculares, sugerindo que outros fatores podem ser mais preditivos de doença CV pós-transplante.

A contribuição precisa das exposições terapêuticas de HCT na disfunção cardíaca de curto e longo prazo, portanto, ainda precisa ser definida; e perguntas adicionais permanecem.

Estudos adicionais que definem patogênese, fatores de risco, biomarcadores e potencial terapia preventiva, particularmente no ambiente de transplante halogênico, são extremamente necessários. 

Referência: Duléry R., Mohty R., Labopin M., et al. "Early cardiac toxicity associated with post-transplant cyclophsophamide in allogeneic stem cell transplantation". J Am Coll Cardiol CardioOnc 2021;3:250-259.

Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519