11122019Qua
AtualizadoQua, 11 Dez 2019 8pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

Atualização Científica

Leucemia mieloide aguda

A Leucemia mieloide aguda apresenta aumento expressivo acima dos 60 anos, sendo a idade mediana de ocorrência em torno dos 65 anos. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima-se a incidência entre 8 mil e 9 mil casos por ano. Em artigo exclusivo, Nelson Hamerschlak (foto), coordenador do Programa de Hematologia e Transplantes de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein, traça um panorama completo da doença que se caracteriza por citopenias periféricas e invasão por células blásticas.


Linfoma difuso de grandes células B: tratamento da recaída

linfoma_b_267_163.jpgO tratamento da recaída é tema do artigo de Lívia Caroline Barbosa Mariano, médica hematologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO) e do Centro de Transplante de Medula Óssea do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), e Jacques Tabacof, oncologista-hematologista do Centro Paulista de Oncologia e Coordenador de Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Uma visão da leucemia promielocítica aguda

Leucemia_promielocitica_aguda.jpgA leucemia promielocítica aguda (LPA), um subtipo único de leucemia mielóide aguda (LMA), acomete indivíduos de qualquer faixa etária, com predomínio nos adultos jovens, sem diferença de incidência entre os sexos. A LPA, doença com características clínicas, morfológicas e biológicas peculiares, é tema do artigo de Luísa Correa de Araújo Koury, médica hematologista e aluna de doutorado do Programa de Oncologia Clínica, Células Tronco e Terapia Celular da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP); e Eduardo M. Rego, professor titular e coordenador do International Consortium on Acute Leukemias (ICAL); Divisão de Hematologia e Oncologia Clínica, Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP.

Tratamento de primeira linha no mieloma múltiplo

ASH_Sangue_NET_OK.jpgEduardo Cerello Chapchap, médico assistente do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), e José Mauro Kutner, hematologista e gerente médico do Departamento de Hemoterapia e Terapia Celular do HIAE analisam em artigo o tratamento de primeira linha no mieloma múltiplo,segunda neoplasia hematológica mais frequente (10% das neoplasias), sendo menos frequente apenas que o Linfoma não–Hodgkin.

Fatores de Prognóstico no Mieloma Múltiplo

MM.jpgNos últimos anos, grandes avanços ocorreram na compreensão da biologia e no tratamento do mieloma múltiplo. A introdução das chamadas novas drogas, as imunomoduladoras (talidomida, lenalidomida), inibidores de proteassoma (bortezomibe, carfilzomibe) e mais recentemente a imunoterapia, tem levado ao aumento da sobrevida. Gracia A Martinez, médica assistente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP) e do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP), fala sobre como refinamento na pesquisa de fatores de prognóstico pode melhorar a estratificação dos pacientes em subgrupos mais homogêneos quanto à expectativa de sobrevida.

Terapia hormonal adjuvante em carcinoma epitelial de ovário

EVA_NET_OK.jpgEm artigo exclusivo, o oncologista clínico Diocésio Alves Pinto de Andrade, membro do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA), comenta estudo publicado no Journal of Clinical Oncology que avaliou a indicação de hormonioterapia adjuvante no câncer de ovário ressecado. Apesar do baixo número de pacientes incluídos, o resultado do estudo é de certa forma surpreendente ao demonstrar uma diminuição do risco de óbito de 37% em favor das pacientes que receberam hormonioterapia adjuvante.

Tratamento Adjuvante do Câncer de Cólon: o que já sabemos e onde queremos chegar

Colon_NET_OK.jpgEm artigo exclusivo, os oncologistas Vivian C. Antunes dos Santos e André Deeke Sasse analisam o atual cenário adjuvante da doença. Para os autores, conhecer melhor os fatores prognósticos, além da difícil tarefa de transformá-los em fatores preditivos de resposta, é um caminho razoável e necessário para a boa prática do tratamento adjuvante do câncer de cólon.

Alterações genéticas e o papel das novas tecnologias na abordagem do mieloma múltiplo

ASH_2015_blood_cells_NET_OK.jpgEm artigo exclusivo, Ilana R Zalcberg, pesquisadora principal do Laboratório de Biologia Molecular CEMO-INCA e Cristiana Solza, professora adjunta de hematologia no Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) abordam o panorama do mieloma múltiplo (MM). Segundo as especialistas, embora as plataformas de alta performance e resolução,quando utilizadas na onco-hematologia, tenham expandido nosso conhecimento em relação ao mecanismo das doenças e tratamento, elas ainda apresentam lacunas em relação à metodologia, normalização e infraestrutura necessárias para a translação definitiva desse conhecimento para a prática clínica.

Diagnóstico e tratamento de tumores neuroendócrinos do trato digestivo

Du__lio.jpgEm artigo, o oncologista Duílio Reis da Rocha Filho (foto) comenta as novas perspectivas em tumores neuroendócrinos (TNEs) do trato digestivo, e levanta questões como a avaliação de resposta ao tratamento e a melhor sequência entre as diferentes modalidades de terapia, que ainda permanecem sem resposta clara.

Imunoterapia em câncer de pulmão

BALANCO_PULMAO_horiz_bx.jpgNovas abordagens imunoterapêuticas foram desenvolvidas após a demonstração da influência do sistema imunológico da disseminação das neoplasias de pulmão. Em artigo exclusivo, as oncologistas Eldsamira Mascarenhas e Mirela Souto, do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica (GBOT), analisam o cenário da imunoterapia em câncer de pulmão.

Radioterapia no tratamento paliativo do câncer

Nota4_ESTRO_Radiotherapy_2_OK.jpgA principal lógica da radioterapia paliativa é o emprego de regimes hipofracionados (poucas aplicações e doses altas por fração) e técnica no mínimo conformada para planejamento de distribuição de dose adequada e segura para os pacientes. O assunto é tema do artigo dos radio-oncologistas Robson Ferrigno, do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes, e Lívia Alvarenga Fagundes, do Hospital São Luiz Jabaquara e do ICESP.


Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner personal2019 250x300p
Publicidade
banner ibcc2019 300x250
Publicidade
banner onconews spotify 300x150px