27112021Sáb
AtualizadoSex, 26 Nov 2021 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Avaliação do grau histológico pré-operatório no câncer de endométrio

Thales_Cirurgia_NET_OK.jpgEm artigo exclusivo, o cirurgião oncológico Thales Paulo Batista (foto), do Hospital de Câncer de Pernambuco e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO), comenta estudo que avalia a utilização de abordagens mais seletivas dos linfonodos em pacientes com câncer de endométrio em estágio inicial.

Thales_Cirurgia_NET_OK.jpgEm artigo exclusivo, o cirurgião oncológico Thales Paulo Batista (foto), do Hospital de Câncer de Pernambuco e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO), comenta estudo que avalia a utilização de abordagens mais seletivas dos linfonodos em pacientes com câncer de endométrio em estágio inicial.

*Thales P. Batista
 
A tendência de redução da radicalidade cirúrgica para o tratamento de cânceres ginecológicos de baixo risco tem ampliado o debate sobre a utilização de abordagens mais seletivas dos linfonodos em pacientes com câncer de endométrio em estágio inicial. Em estudo recentemente publicado, Batista e colaboradores, do Hospital de Câncer de Pernambuco e do IMIP, apresentam dados brasileiros confirmando evidências prévias de que a biópsia endometrial pré-operatória, por curetagem ou histeroscopia, é um preditor apenas modesto do grau histológico em carcinomas endometrióides, o que pode subestimar a necessidade de linfadenectomia em pacientes com doença clinicamente inicial, se considerado isoladamente. O assunto esteve na agenda do II Congresso Norte/Nordeste da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) realizado de 30 de junho a 2 de julho, em Porto de Galinhas, com o tema ‘O cirurgião como elo do tratamento multidisciplinar’. 
 
O estudo apresenta resultados de análise retrospectiva envolvendo dados de79 pacientes do Hospital de Câncer de Pernambuco e do IMIP/FPS, com o objetivo de explorar a acurácia da biópsia pré-operatória para a identificação do grau histológico em carcinomas uterinos. Os dados finais, a despeito das limitações metodológicas, sugerem que a biópsia endometrial pré-operatória seja um preditor apenas modesto do grau histológico em carcinomas endometrióides, o que pode subestimar a necessidade de linfadenectomia em pacientes com doença clinicamente inicial, se considerado isoladamente.
 
Segundo os autores, o diagnóstico pré-operatório de grau 1 modificou-se para grau 2 ou 3 em 15,2% dos pacientes ao exame dos espécimes cirúrgicos de histerectomia. Isto se correlacionou com sensibilidade, especificidade, valor preditivo negativo (NPV), valor preditivo positivo (PPV) e acurácia do diagnóstico pré-operatório de grau 1 de 67,2%, 66,7%, 42,4%, 84,8% e 67.1%, respectivamente.
 
Avaliando-se estes dados por meio de estatística Kappa (k), pôde-se observar que a concordância pré e pós-operatória do grau histológico foi apenas “fraca” (κ= 0.221; 95%CI = 0.389 – 0.053; p = 0.01).
 
Apesar destes resultados, baseando-se no VPP encontrado, os autores sugerem que o do grau histológico pré-operatório ainda possa servir para a estratificação do risco de envolvimento linfonodal, se utilizado em combinação com marcador CA-125 e ultrassonografia transvaginal e achados transoperatórios, o que possivelmente seria uma abordagem mais custo-efetiva do que a realização sistemática de ressonância magnética da pelve em pacientes da rede pública de saúde (i.e.: SUS).
 
A proposta também se apoia em evidências de que a disseminação linfonodal para-aórtica seja um evento raro quando da ausência de envolvimento linfonodal pélvico e doença extra-uterina clinicamente evidente. Neste sentido, os autores propõem como abordagem seletiva evitar a dissecção linfonodal em tumores IAG1, reservando linfadenectomia apenas pélvica para pacientes com risco intermediário de metástases linfonodais, isto com o intuito de se reduzir a morbidade de um procedimento mais radical. Por outro lado, em tumores IBG3, ou para aqueles pacientes com alto nível sérico de CA-125 no pré-operatório, a recomendação ainda prevê a necessidade de linfadenectomia sistemática, incluindo as regiões pélvica e para-aórtica.
 
*Autor: Thales P. Batista
Hospital de Câncer de Pernambuco
Faculdade Pernambucana de Saúde - Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira
 
Referência: Batista TP, Cavalcanti CL, Tejo AA, Bezerra AL. Accuracy of preoperative endometrial sampling diagnosis for predicting the final pathology grading in uterine endometrioid carcinoma. Eur J Surg Oncol. 2016 Mar 26. pii: S0748-7983(16)00391-7. doi: 10.1016/j.ejso.2016.03.009. [Epub ahead of print] PMID: 27052799


Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250

Estudos Clínicos

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG) espera incluir 300 participantes em um estudo observacional que pretende levantar dados de mundo real (real world data) no tratamento de primeira linha do câncer de mama metastático receptor hormonal positivo, HER 2 negativo. Este estudo foi um dos selecionados para suporte pelo Programa BRAVE com apoio da Novartis Brasil.

Leia Mais

Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519