04082021Qua
AtualizadoTer, 03 Ago 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Câncer de mama na 52ª ASCO

vanessadybal_NET_OK.jpgVanessa Dybal (foto), oncologista do grupo de mama da clínica AMO (Assistência Multidisciplinar em Oncologia), em Salvador, e coordenadora do Centro de Pesquisa Clínica ÉTICA, comenta três trabalhos em câncer de mama que mereceram destaque na ASCO 2016: os estudos MA.17 e PALOMA 2, que abordaram o tratamento de manejo hormonal, e o estudo PHEREXA, que avaliou o bloqueio duplo em segunda linha para a doença HER2 positiva.

vanessadybal_NET_OK.jpgVanessa Dybal (foto), oncologista do grupo de mama da clínica AMO (Assistência Multidisciplinar em Oncologia), em Salvador, e coordenadora do Centro de Pesquisa Clínica ÉTICA, comenta três trabalhos em câncer de mama que mereceram destaque na ASCO 2016: os estudos MA.17 e PALOMA 2, que abordaram o tratamento de manejo hormonal, e o estudo PHEREXA, que avaliou o bloqueio duplo em segunda linha para a doença HER2 positiva.

{jathumbnail off}*Por Vanessa Dybal 

MA.17

Apresentado na sessão plenária por Paul Goss, o estudo MA.17 é um estudo de fase 3, randomizado, placebo controlado, que aborda o uso da terapia adjuvante extendida com inibidor da aromatase por até 10 anos. O estudo randomizou 1918 mulheres pós-menopausadas com diagnóstico de câncer de mama receptor hormonal positivo tratadas previamente de forma adjuvante com tamoxifeno seguido por inibidores de aromatase por 4,5 a 6 anos para uso adicional de 5 anos de letrozol 2,5mg ou placebo. O objetivo primário do estudo foi sobrevida livre de doença, e os secundários sobrevida global, incidência de câncer de mama contralateral, qualidade de vida e toxicidade a longo prazo.
 
A taxa de aderência ao tratamento foi de 62,5% e 62,3% para os grupos em uso de letrozol e placebo, respectivamente, e o seguimento mediano foi de 6,3 anos.
 
O estudo atingiu o endpoint primário, com taxa de sobrevida livre de doença em 5 anos de 95% para o grupo de tratamento contra 91% para o grupo placebo, com um p = 0,01 e uma redução de risco de 33% (HR = 0,66 com IC 95% 0,48 - 0,91). Tal benefício foi consistente em todos os subgrupos pré-estratificados, incluindo status linfonodal, tratamento prévio com quimioterapia, intervalo entre última dose do inibidor de aromatase e a randomização e duração do tratamento prévio com tamoxifeno.
 
Não foram observadas diferenças de sobrevida global entre os grupos (93% x 94%, p=0,83 com IC 0,73 - 1,28). A taxa de risco para recidiva local, contralateral ou morte com o uso do letrozol comparado com placebo foi 0,79 (p=0,05 com IC de 0,63 - 1,00).
 
A incidência anual de carcinoma contralateral da mama foi de 0,21% x 0,49%, favorecendo o braço de tratamento (p = 0,007 com 95% IC 0,22 - 0,81).
 
MAMA_ASCO2016_1_NET_OK.jpg

MAMA_ASCO2016_2_NET_OK.jpg

MAMA_ASCO2016_3_NET_OK.jpg

Poucas pacientes descontinuaram o tratamento por toxicidade; 5,4% no grupo letrozol x 3,7% no placebo.
 
Apesar do uso de suplemetação de cálcio, vitamina D e bisfosfonados terem sido  igualmente distribuídos entre letrozol e placebo, o desenvolvimento de osteoporose, com T score menor que -2,5 na densitometria óssea foi maior no grupo do inibidor da aromatase (10% x 7%, p=0,03), além de maior número de fraturas neste grupo (14% x 9%; p= 0,001).
 
Sintomas atribuídos à deprivação hormonal como fogachos, atralgias, mialgias e fadiga não foram diferentes entre os grupos, assim como a qualidade de vida, que foi reportada detalhadamente em estudo em separado (MA.17R).
 
O artigo foi disponibilizado on line pelo New England Journal of Medicine no mesmo dia da apresentação.
Considerando-se que o risco de recidiva à distância e óbito pela doença nas pacientes em terapia de bloqueio hormonal reduzem progressivamente com o decorrer dos anos, é justificado o achado do ganho em recidiva local/contralateral mamária e não em sobrevida global, dado o longo período de tratamento prévio. Tal benefício, nas várias discussões durante o simpósio e em editoriais posteriores, foi comparado aos encontrados nos estudos de terapia preventiva para pacientes de alto risco.
 
Cabe ainda ressaltar que a grande maioria das pacientes pós-menopausadas sob terapia adjuvante de bloqueio hormonal da nossa prática diária iniciam o tratamento com inibidor da aromatase sem  uso prévio de tamoxifeno, o que as torna diferentes da população do estudo e, portanto, com benefício incerto desta estratégia.
 
A diminuição da massa óssea no grupo do letrozol e aumento no grupo placebo, após a suspensão do uso prévio da droga, eram esperados e alertam para a necessidade de monitoramento ativo e uso de medidas profiláticas/terapêuticas adequadas, reportadas no estudo como acima de 46% (bisfosfonatos) e de 84% (cálcio e vitamina D) em ambos os grupos.
 
A inesperada boa aceitação e baixa toxicidade em relação aos sintomas comumente atribuídos ao uso de inibidores da aromatase pode ser em parte atribuída a um auto-viés de seleção por parte das participantes do estudo, que não apresentando queixas importantes durante os anos prévios de terapia, aceitaram o prolongamento do seu uso. 

PALOMA 2 

Apresentado por Dennis Slamon, o de fase 3 PALOMA 2 randomizou pacientes pós-menopausadas com neoplasias de mama avançada ER positivo/HER2 negativo, sem tratamento prévio, para o uso de letrozol (2,5mg ao dia) com palbociclibe (125mg ao dia por 3 semanas consecutivas com 1 semana de descanso) versus letrozol (2,5mg ao dia) com placebo. Foram randomizadas 666 pacientes no esquema 2:1. O objetivo primário foi a sobrevida livre de progressão pelo investigador; e os secundários incluíram taxa de resposta, sobrevida global, toxicidades, biomarcadores e auto-avaliação do paciente. A mediana de acompanhamento foi de 23 meses.
 
Confirmando os dados do PALOMA 1, o grupo da associação mostrou um aumento da sobrevida livre de progressão de 14,5 meses para 24,8 meses ( p<0,000001 com HR = 0,58; 95% IC 0,46 - 0,72). O ganho foi consistente em todos os subgrupos analisados.
 
MAMA_ASCO2016_4_NET_OK.jpg

MAMA_ASCO2016_5_NET_OK.jpg

A taxa de resposta também foi significativamente maior no grupo do letrozol com palbociclibe, avaliados tanto pelo observador quanto pelo paciente.  

MAMA_ASCO2016_6_NET_OK.jpg

Cerca de 93% da dose de palbociclibe foi administrada, sendo a neutropenia a principal toxicidade determinante de reduções de dose: 80% das pacientes apresentaram em neutropenia de todos os graus, sendo 66% graus 3 e 4.
 
Os resultados do PALOMA 2 vieram corroborar as recomendações do recentemente publicado guideline da ASCO para o tratamento de bloqueio hormonal do câncer de mama receptor hormonal positivo.  A terapia de manejo hormonal sequencial deve ser a preferencial no tratamento da doença metastática hormônio dependente, excetuando-se situações de doença visceral ameaçadora de vida. A escolha deve ser baseada no tipo de tratamento adjuvante recebido, no intervalo para a recidiva e na reserva visceral.
 
Nas paciente comprovadamente menopausadas, o uso de inibidores de aromatase devem ser considerados como tratamento inicial, associados ou não ao palbociclibe. Na progressão aos inibidores da aromatase, tanto o tratamento com fulvestranto na dose de 500mg, associado ou não ao palbociclibe, quanto o examestano associado ao everolimus são opções terapêuticas.
 
Apesar de vários estudos em em andamento, infelizmente ainda não possuímos marcadores preditores de resposta clinicamente validados para o auxílio na escolha da estratégia a ser utilizada.
 
No tratamento adjuvante das pacientes pós-menopausadas, o uso de inibidor de aromatase por 5 anos ainda é o recomendado, existindo agora a possibilidade para o seu uso extendido por 10 anos naquelas pacientes que toleraram bem a terapia e fizeram uso prévio de tamoxifeno. Não fica obrigatório, no entanto, o uso de 15 anos de terapia de bloqueio hormonal para todas as pacientes. 

PHEREXA 

Na doença HER2 positiva, o estudo PHEREXA investigou o uso de pertuzumabe com trastuzumabe e capecitabina em comparação ao trastuzumabe e capecitabina para pacientes que progrediram a uma linha de tratamento com quimioterapia + trastuzumabe.
 
De janeiro de 2010 a agosto de 2013 foram incluídas 452 pacientes, analisadas em maio de 2015. As doses habituais de trastuzumabe e pertuzumabe foram utilizadas no estudo, porém a dose de capecitabina diferiu entre os grupos, sendo de 1250mg/m2 no grupo sem pertuzumabe e de 1000mg/m2 no grupo do bloqueio duplo.
 
O objetivo primário do estudo foi a análise da sobrevida livre de progressão centralmente avaliada, e os endpoints secundários incluíram a sobrevida global, sobrevida livre de progressão avaliada pelo investigador, toxicidades e análise de biomarcadores.
 
Assim como no estudo CLEOPATRA, a minoria das pacientes (27% e 24%) havia recebido trastuzumabe no tratamento adjuvante ou neoadjuvante, porém 73% e 76% receberam o medicamento na primeira linha de tratamento da doença metastática.
 
O estudo foi desenhado inicialmente para ser de fase 2, com um HR previsto de 0,75 e uma diferença de sobrevida livre de progressão mínima de 2,1 meses para ser considerado positivo. Com a divulgação dos dados positivos de primeira linha, o estudo foi ampliado para fase 3.
 
O objetivo primário do estudo não foi alcançado, encontrando uma diferença entre os grupos de 2,1 meses para a sobrevida livre de progressão, com HR = 0,82 (IC 0,65 - 1,02), consistente em todos os subgrupos pré-estratificados. Apesar de numericamente positivo para a sobrevida global (36,1 meses x 28,1 meses, com HR 0,68 e IC 0,51 - 0,90), este dado não pôde ser considerado relevante devido ao teste ser hierarquicamente atrelado à positividade do endpoint primário do estudo.
 
MAMA_ASCO2016_7_NET_OK_1.jpg

MAMA_ASCO2016_8_NET_OK.jpg

Apesar da existência de estudos prévios de fase 2 positivosem linhas avançadas com o uso de pertuzumbe, os dados apresentados pelo PHEREXA, associado aos dados de custo efetividade da droga, sugerem que esta estratégia ainda não seja recomendada em outro cenário que não o tratamento inicial das pacientes com câncer de mama HER-2 positivos. 
 
*Vanessa Dybal é oncologista do grupo de mama e coordenadora do Centro de Pesquisa Clínica ÉTICA da clínica AMO (Assistência Multidisciplinar em Oncologia), em Salvador, Bahia.
 
 


Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250

Estudos Clínicos

Qualidade de vida após o câncer de mama, desafios e perspectivas 

Qualidade de vida após o câncer de mama, desafios e perspectivas 

Thiago Vidal Brito (foto), médico do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC - São Camilo Oncologia ), é o investigador principal de estudo aberto a recrutamento de pacientes, com o objetivo de avaliar a qualidade de vida de mulheres que sobreviveram ao câncer de mama. O estudo espera identificar possíveis repercussões da doença e de seus tratamentos à qualidade de vida após 1 ano (12 meses) e 2 anos (24 meses) do tratamento primário.

Leia Mais

Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519