02122021Qui
AtualizadoSeg, 29 Nov 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

SGO Annual Meeting na visão do oncologista clínico

EVA_NET_OK.jpgEstudos que prometem traçar novos rumos no desenvolvimento terapêutico do câncer ginecológico foram anunciados durante o congresso anual da Sociedade Americana de Ginecologia Oncológica. Dados do GOG 252 apresentaram a esperada comparação entre quimioterapia em dose densa e intraperitoneal (IP) no câncer epitelial de ovário, com resultados desapontadores para a abordagem IP. O estudo SAR 3007 mostrou benefícios da trabectedina em leiomiossarcoma uterino e também deve mudar a prática clínica. Confira artigo exclusivo do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA/GBTG).

EVA_NET_OK.jpgEstudos que prometem traçar novos rumos no desenvolvimento terapêutico do câncer ginecológico foram anunciados durante o congresso anual da Sociedade Americana de Ginecologia Oncológica. Dados do GOG 252 apresentaram a esperada comparação entre quimioterapia em dose densa e intraperitoneal (IP) no câncer epitelial de ovário, com resultados desapontadores para a abordagem IP. O estudo SAR 3007 mostrou benefícios da trabectedina em leiomiossarcoma uterino e também deve mudar a prática clínica. Confira artigo exclusivo do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA/GBTG).

Por Daniela de Freitas, João Soares Nunes, Solange Sanches e Angélica Nogueira Rodrigues
 
Ainda pouco conhecida por uma significativa parcela dos oncologistas clínicos do Brasil, a SGO (Society of Gynecologic Oncology) é a sociedade médica americana voltada à prevenção, tratamento e educação em câncer ginecológico. De seu congresso anual, ocorrido de 19 a 22 de março, na cidade de San Diego, alguns estudos prometem traçar novos rumos do desenvolvimento terapêutico do câncer ginecológico.
 
Em câncer epitelial de ovário, a esperada comparação entre quimioterapia em dose densa e intraperitoneal trouxe resultados desapontadores para a última. O estudo GOG 252 randomizou entre três braços mulheres com doença em estágios II-III e doença residual <1cm após ressecção. Os regimes terapêuticos testados foram:
 
            Braço 1: Paclitaxel IV dose densa, carboplatina IV e bevacizumabe (braço referência)
            Braço 2: Paclitaxel IV dose densa, carboplatina IP e bevacizumabe
            Braço 3: Paclitaxel IV dose convencional, seguido de paclitaxel IP dose reduzida, cisplatina IP e bevacizumabe
 
O objetivo primário do estudo foi sobrevida livre de progressão (SLP). A análise de dados compreendeu 1.560 pacientes, com idade mediana de 58 anos. Aproximadamente 85% das pacientes em todos os braços completou o tratamento proposto. A SLP foi, respectivamente, 26,8, 28,7 e 27,8 meses, significativamente inferior aos 60 meses obtidos no estudo que levou ‘a recomendação de adoção de quimioterapia intraperitoneal neste cenário (GOG 172). Diante da superior complexidade logística e toxicidade do regime intraperitoneal, este resultado levantou o questionamento da validade da continuação de sua indicação na prática clínica e de seu uso como braço controle em estudos futuros.
 
Ainda em carcinoma epitelial de ovário, uma análise interessante foi a do padrão de mutações nos genes relacionados ao reparo de DNA por recombinação homóloga (HR) dos pacientes participantes do estudo GOG 218. Neste estudo, o acréscimo de bevacizumabe à quimioterapia convencional e estendido posteriormente mostrou um ganho absoluto em sobrevida livre de progressão de 3,8 meses ( 10,3 meses para QT e 14,1 meses para QT + bevacizumabe). Em 63,8% da população deste estudo foi realizado o sequenciamento (sangue e/ou tumor) de múltiplos genes relacionados à recombinação homóloga (classificados em subgrupos de mutações: BRCA1, BRCA 2 e outras mutações) e avaliado o impacto na resposta ao tratamento.

As SLP e sobrevida global (SG) foram superiores para os pacientes com mutação deBRCA2 (21,6 e 75,2 meses), comparados àqueles com mutações em BRCA1 (15,7 e 55,3 meses) e mutações em outros genes HR (16 e 56 meses) e sem mutação (12,6 e 42,1 meses). Os pesquisadores concluíram que o status da mutação é um fator prognóstico no câncer de ovário. Em relação ao braço de tratamento, as pacientes sem mutação tiveram um benefício absoluto de 5,1 meses com a adição de bevacizumabe ( 10,6 versus 15,7 meses, HR 0,71) e as mutadas 4,2 meses ( 15,4 versus 19,6 meses, HR 0,95  NS), mas  um teste de interação não definiu que o status da mutação possa significativamente modificar o efeito do bevacizumabe neste contexto.
 
Um resultado apresentado provocará mudança de conduta em leiomiossarcoma uterina. Em uma análise do subgrupo de leiomiossarcoma uterino do estudo SAR-3007, ensaio clínico fase III prospectivo randomizado com múltiplas instituições norte-americanas foi observada superior SLP da trabectedina (4,2meses) versus dacarbazina (1,5meses – p<0,0001) em pacientes com lipossarcoma ou leiomiossarcoma avançados que progrediram após 1ª linha de quimioterapia. As pacientes com leiomiossarcoma uterino compreendiam 40,2% do total, 232 mulheres, com PS:0 ou 1. As pacientes foram randomizadas 2:1 - 144 mulheres receberam trabectedina em infusão de 24 horas e 88 receberam dacarbazina em 1 hora. As pacientes do grupo trabectedina receberam o dobro de ciclos de quimioterapia que o grupo dacarbazina, com SLP de 4 meses versus 1,5 meses, HR 0,576 (p=0,0012). Não houve diferença em SG (13,4 versus 12,9 meses), enquanto 75% das pacientes de ambos os grupos tenham recebido terapia sistêmica pós-progressão. 

Biópsias líquidas 

As biópsias liquidas surgem como um potencial avanço na personalização do tratamento oncológico também em tumores ginecológicos. Há evidências de que a análise do DNA circulante seja um eficaz instrumento de monitorização da evolução do crescimento tumoral, resposta a tratamento, determinação de resistência adquirida e da heterogeneidade tumoral. O grupo da Icahn School of Medicine Mount Sinai, um dos grupos pioneiros nas biópsias líquidas, mostrou que a presença do DNA tumoral circulante (ctDNA) antecipou a evidência de recorrência em 6 de 32 mulheres com câncer epitelial de ovário, cerca de 7 meses antes de imagem tomográfica de recidiva.

Em um subgrupo de 10 pacientes com informações de seguimento, 5 sem ctDNA após o tratamento inicial (cirurgia e quimioterapia adjuvante) apresentaram de 22 a 33 meses de sobrevida livre de progressão e estavam vivas com 5,4 anos de acompanhamento. Quatro pacientes com ctDNA morreram dentro de 29 meses do seguimento e a outra recidivou logo após termino de tratamento e está viva com doença aos 4,8 anos de acompanhamento.
 
Este trabalho mostrou a possibilidade de tornar as biópsias líquidas uma ferramenta para acompanhamento do câncer de ovário e das alterações genéticas que podem ocorrer durante o curso da doença, com potencial de modificar a condução do caso. Ainda não é uma realidade prática, mas uma perspectiva muito interessante.

 
           
 
 
 
            

Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250

Estudos Clínicos

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG) espera incluir 300 participantes em um estudo observacional que pretende levantar dados de mundo real (real world data) no tratamento de primeira linha do câncer de mama metastático receptor hormonal positivo, HER 2 negativo. Este estudo foi um dos selecionados para suporte pelo Programa BRAVE com apoio da Novartis Brasil.

Leia Mais

Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519