21052022Sáb
AtualizadoSex, 20 Maio 2022 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Terapia hormonal adjuvante em carcinoma epitelial de ovário

EVA_NET_OK.jpgEm artigo exclusivo, o oncologista clínico Diocésio Alves Pinto de Andrade, membro do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA), comenta estudo publicado no Journal of Clinical Oncology que avaliou a indicação de hormonioterapia adjuvante no câncer de ovário ressecado. Apesar do baixo número de pacientes incluídos, o resultado do estudo é de certa forma surpreendente ao demonstrar uma diminuição do risco de óbito de 37% em favor das pacientes que receberam hormonioterapia adjuvante.

EVA_NET_OK.jpgEm artigo exclusivo, o oncologista clínico Diocésio Alves Pinto de Andrade, membro do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA), comenta estudo publicado no Journal of Clinical Oncology que avaliou a indicação de hormonioterapia adjuvante no câncer de ovário ressecado. Apesar do baixo número de pacientes incluídos, o resultado do estudo é de certa forma surpreendente ao demonstrar uma diminuição do risco de óbito de 37% em favor das pacientes que receberam hormonioterapia adjuvante.

Diocésio Alves Pinto de Andrade*

O câncer de ovário representa o sétimo câncer mais comum em mulheres no mundo; em 2008 aconteceram mais de 140 mil óbitos decorrentes desta doença1. No Brasil, o câncer de ovário é o oitavo câncer mais prevalente em mulheres, com uma taxa média de 5,58 casos novos ano para cada 100 mil mulheres, sendo que em algumas regiões do país, como a Centro-Oeste, esta neoplasia ocupa a quinta colocação2.
 
O tratamento do câncer de ovário é primariamente cirúrgico. De acordo com o estadiamento da doença, esta cirurgia pode ser mais ou menos radical, indo desde uma ressecção simples de um dos ovários se a doença for de baixo grau, confinada apenas ao ovário e a mulher tiver o desejo de engravidar, até cirurgias bem complexas como a retirada dos dois ovários, das duas trompas de falópio, do útero, dos linfonodos pélvicos e retroperitoneais e da gordura que recobre o intestino (omento).
 
Após a realização da cirurgia, também de acordo com o estadiamento da doença, será decidido pela realização ou não de quimioterapia complementar, conhecida como quimioterapia adjuvante. A quimioterapia do câncer de ovário, independente se no caráter adjuvante ou paliativo, é baseado nos sais de platina. No caráter paliativo, existe ainda a possibilidade de hormonioterapia com uma das seguintes opções: acetato de megestrol, tamoxifeno, inibidor de aromatase ou fulvestranto.
 
Baseado neste racional de hormonioterapia e em alguns estudos retrospectivos de reposição hormonal em pacientes com câncer epitelial de ovário ressecado3, no fim do mês de setembro foi publicado no Journal of Clinical Oncology o estudo Adjuvant Hormone Therapy May Improve Survival in Epithelial Ovarian Cancer: Results of the AHT Randomized Trial, iniciado em 1990 e liderado pela Dra. Rosalind Eeles, que avaliou a indicação de hormonioterapia adjuvante no câncer de ovário ressecado.
 
Este estudo de fase III foi desenvolvido em três países europeus (Reino Unido, Espanha e Hungria) e recrutou durante 5 anos apenas 150 pacientes independente do seu estado menopausal. Estas pacientes foram randomizadas para dois grupos: metade para receber hormonioterapia e a outra metade para o grupo controle (não receberam placebo). Devido ao baixo recrutamento, o estudo foi interrompido, porém as pacientes foram seguidas4.
 
A grande maioria das pacientes estavam na pós-menopausa (77%) e apresentavam doença em um estaio avançado em 63% dos casos (FIGO III ou IV). A mediana de idade foi 58,7 anos. O tratamento hormonal utilizado era de acordo com a escolha médica e compreendeu 4 categorias: estrógenos conjugados, adesivo de estradiol, implante de estradiol e estrógeno conjugado associado ao norgestrel. O acompanhamento médio destas pacientes foi de 19,1 anos4.
 
O resultado demonstrado pelo estudo é de certa forma surpreendente pelo baixo número de pacientes incluídos. Uma diminuição do risco de óbito de 37% em favor das pacientes que receberam hormonioterapia adjuvante é surpreendente, apesar de apenas 75 pacientes em cada braço do estudo. Além disso, era permitido a inclusão de pacientes de todos os estadios, o que compromete uma análise de sobrevida num estudo em oncologia.
 
O fato deste estudo ter sido publicado numa revista de grande impacto como a JCO nos permite discutir a realização de novos estudos prospectivos com o mesmo racional realizado, porém com um maior número de pacientes incluídos. Este tratamento apresenta baixíssimo índice de efeitos colaterais, o que melhoraria em muito a qualidade de vida destas pacientes.

Autor: Diocésio Alves Pinto de Andrade é diretor técnico do Instituto Oncológico de Ribeirão Preto (InORP) e membro do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA) 

Referências
 
1 - Ferlay J, Shin HR, Bray F, et al: GLOBOCAN 2008 v2.0, Cancer Incidence and Mortality Worldwide: IARC CancerBase No. 10. http://www.globocan.iarc.fr.
 
2 - INSTITUTO NACIONAL DO CANCER (Brasil). Estimativa 2014: Incidência de câncer no Brasil. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2014. Citado em 03/11/2015.
 
3 - Eeles RA, Tan S, Wiltshaw E, et al: Hormone replacement therapy and survival after surgery for ovarian cancer. BMJ 302:259-262, 1991.
 
4 - Eeles RA, et al. Adjuvant Hormone Therapy May Improve Survival in Epithelial Ovarian Cancer: Results of the AHT Randomized Trial. J Clin Oncol 2015; Sep 28: [epub ahead of print].


Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250

Estudos Clínicos

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG) espera incluir 300 participantes em um estudo observacional que pretende levantar dados de mundo real (real world data) no tratamento de primeira linha do câncer de mama metastático receptor hormonal positivo, HER 2 negativo. Este estudo foi um dos selecionados para suporte pelo Programa BRAVE com apoio da Novartis Brasil.

Leia Mais

Publicidade
300x250 ad onconews200519