20022019Qua
AtualizadoTer, 19 Fev 2019 10pm

PUBLICIDADE
banner pfizer instuc 2018 468x60px

EsophaCap é promessa para o rastreamento do câncer de esôfago

EsophaCap NET OKO esôfago de Barrett (BE) é o único precursor conhecido do adenocarcinoma de esôfago (EAC). Embora a endoscopia e a biópsia sejam os métodos padrão para o diagnóstico de EB, o alto custo e o risco limitam seu uso como modalidade de rastreamento. Agora, um estudo publicado na Clinical Cancer Research buscou avaliar avaliou o EsophaCap, um teste que utiliza biomarcadores genéticos específicos para detectar alterações nas células que revestem o interior do esôfago.

Desenvolvido por pesquisadores da Johns Hopkins, o EsophaCap é um método de detecção de esôfago de Barret baseado no status de metilação em amostras de citologia capturadas utilizando uma técnica aerodinâmica sensível, a metilação em esferas (MOB).

Em pesquisas anteriores, o gastroenterologista Stephen Meltzer, professor de oncologia na Johns Hopkins University School of Medicine, havia realizado testes no conjunto de biomarcadores genéticos que ele utiliza para diagnosticar o esôfago de Barrett. A combinação gênica de p16, NELL1, AKAP12 e TAC1 produziu uma sensibilidade de quase 92% e ofereceu diagnósticos confiáveis. No entanto, métodos de larga escala para implantar esses biomarcadores como uma ferramenta de triagem não foram efetivos até o momento.

O princípio por trás do EsophaCap é simples. O paciente engole uma pequena cápsula que tem uma longa corda presa a ela. Depois que a cápsula desce pelo esôfago e entra no estômago - um processo que leva apenas um minuto ou mais - a camada de gelatina da cápsula começa a se dissolver. Daquela cápsula surge uma esponja de poliuretano de 2 centímetros, ainda presa à corda, grande parte da qual ainda está pendurada na boca do paciente. O examinador puxa gentilmente a corda e a esponja começa sua jornada de retorno, saindo do estômago, para o esôfago e, finalmente, para fora da boca do paciente.

“À medida que sobe, a esponja entra em contato com todo o comprimento e a largura do esôfago, coletando material genético ao longo do caminho. A esponja é então enviada para uma empresa que realiza testes genéticos simples no material para determinar o risco de câncer esofágico do paciente”, explica Meltzer.

Sobre o estudo

No estudo, o teste EsophaCap foi administrado a 94 participantes; 85% deles foram capazes de engolir a cápsula, com 100% de sucesso na recuperação da esponja. A avaliação endoscópica dos pacientes após a administração de EsophaCap não mostrou evidências de sangramento, dor, trauma ou outras reações adversas ao teste.

Entre os pacientes capazes de engolir a cápsula, quase metade foi diagnosticada com esôfago de Barrett - uma taxa muito maior do que a da população geral dos Estados Unidos. “A maioria dos pacientes incluídos no estudo estava sendo tratada por sintomas gastrointestinais, o que pode explicar a taxa de esôfago de Barrett maior do que na população geral", afirmaram os autores.

Os pesquisadores realizaram um estudo de coorte prospectivo em 80 pacientes (52 no conjunto de treinamento; 28 no conjunto de teste). Foi empregado MOB para extrair o DNA convertido em bissulfito, seguido por qMSP para avaliar os níveis de metilação de 8 marcadores candidatos previamente selecionados. A regressão do laço foi aplicada para estabelecer um modelo de previsão no conjunto de treinamento, que foi então testado no conjunto de testes independente.

No conjunto de treinamento, 5 dos 8 candidatos a biomarcadores de metilação (p16, HPP1, NELL1, TAC1 e AKAP12) foram significativamente maiores nos pacientes com esôfago de Barret do que no grupo no grupo controle. A AUC foi de 0,894, com sensibilidade de 94,4% (95% IC 71%~99%) e especificidade de 62,2% (95% IC 44,6%~77,3%) no conjunto de treinamento. Este modelo também foi realizado com alta precisão para o diagnóstico de esôfago de Barret no conjunto de teste independente: AUC = 0,929 (P <0,001, 95% IC 0,810 ~ 1), com sensibilidade = 78,6% (95% IC 48,8%~94,3%) e especificidade = 92,8% (95% IC 64,1% ~ 99,6%).

“O EsophaCap, em combinação com um painel de biomarcadores epigenéticos e o método MOB, é uma estratégia de amostragem esofágica promissora, bem tolerada e de baixo custo para o diagnóstico de EB. Essa abordagem merece mais estudos prospectivos em populações maiores”, concluíram os autores.

O trabalho foi apoiado pelo National Institutes of Health (Grants CA211457 e DK118250), Emerson Cancer Research Fund e um Prêmio de Descoberta da Johns Hopkins University School of Medicine.

Referência: Methylation Biomarker Panel Performance in EsophaCap Cytology Samples for Diagnosing Barrett's Esophagus: A Prospective Validation Study - Zhixiong Wang et al, Tza-Huei Wang and Stephen J. Meltzer et al - DOI: 10.1158/1078-0432.CCR-18-3696 - Published OnlineFirst January 22, 2019


Publicidade
banner astellas2018 v1
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner abbvie2018 300X250p