11122018Ter
AtualizadoSáb, 08 Dez 2018 11pm

PUBLICIDADE
banner pfizer instuc 2018 468x60px

Mais acurácia na biópsia transtorácica

Charles Zurstrassen NET OKEm lesões pulmonares acima de 30 mm de diâmetro coletadas em biópsias transtorácicas, o risco de um resultado falso-negativo pode chegar a 15%, o que dimensiona o enorme desafio de melhorar os métodos de confirmação histopatológica. Agora, estudo de Charles Zurstrassen (foto), do AC Camargo Cancer Center, apresenta resultados encorajadores, que podem impactar a rotina diagnóstica.

“Avaliar essas lesões suspeitas por métodos funcionais e metabólicos, como a difusão por Ressonância Magnética (DW-RM) e a Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT), melhora a acurácia da biópsia, direcionando a coleta para a área de maior representatividade biológica”, explica Zurstrassen.

O estudo avaliou de forma prospectiva 27 pacientes com lesões pulmonares indeterminadas suspeitas de câncer. Nas lesões alvo de investigação, foram consideradas as áreas com maior captação no PET e aquelas de maior restrição à difusão das moléculas de água na Ressonância Magnética. Assim, os métodos de imagem permitiram direcionar a coleta da amostra para as lesões de maior representatividade biológica, onde a positividade chegou a 100% nas áreas de maior suspeição, com significância estatística.

Os resultados mostram que a utilização complementar de DW-RM ou PET-CT aumentou a acurácia na biópsia transtorácica, em lesões indeterminadas com suspeita de câncer. “Foram coletadas amostras de duas áreas distintas de uma mesma lesão pulmonar guiadas pelos valores locais de SUV e mapas de ADC, formando-se duas áreas arbitrariamente definidas como de suspeição menor e maior para câncer”, explica Zurstrassen, Diretor do Departamento de Radiologia Intervencionista do AC Camargo Cancer Center. “Foram positivas para câncer 100% das amostras da área de maior suspeição e 71,43% das amostras coletadas na área de menor suspeição (P= 0,0184)”, acrescenta o pesquisador.

Em conclusão, o estudo mostra através de métodos diagnósticos (PET-CT e DW-RM) que os tumores pulmonares são funcional e metabolicamente heterogêneos e que esta heterogeneidade tem implicações no diagnóstico histopatológico. “Não é um método para todos os pacientes, mas para pacientes selecionados, com lesões indeterminadas, acima de 30 mm. Sabemos que um falso-negativo atrasa o tratamento e piora o prognóstico do paciente. Mostramos que ao avaliar essas lesões suspeitas por PET-CT ou DW-RM podemos melhorar a acurácia da biópsia transtorácica”, conclui Zurstrassen. O estudo foi objeto da tese de doutorado do autor na Fundação Antônio Prudente, sob orientação de Rubens Chojniak, Diretor do Departamento de Imagem do AC Camargo Cancer Center.

Referência: Zurstrassen CE. Avaliação da imagem funcional através do PET/CT e DW-MRI nas biópsias transtorácicas guiadas por tomografia computadorizada. São Paulo; 2018. [Tese de Doutorado-Fundação Antônio Prudente].


Publicidade
ad lilly 300X250px
Publicidade
Publicidade
banner Sanofi 2017 300x250
Publicidade
banner astellas2018 v1
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
Merck 300x250 2018
Publicidade
banner logoBMS 2018 300x250
Publicidade
banner abbvie2018 300X250p