23092018Dom
AtualizadoDom, 23 Set 2018 2pm

PUBLICIDADE
banner pfizer instuc 2018 468x60px

FDA aprova tratamento alvo para macroglobulinemia de Waldenström

approved NET OKA agência norte-americana FDA aprovou o uso de ibrutinibe e rituximabe para o tratamento de pacientes adultos com macroglobulinemia de Waldenström (WM), um tipo raro de linfoma não-Hodgkin (LNH). A aprovação foi baseada nos dados do estudo de fase III iNNOVATE, apresentados na ASCO 2018 e publicados simultaneamente no New England Journal of Medicine.

Com essa aprovação, o regime de ibrutinibe e rituximabe representa o primeiro tratamento combinado livre de quimioterapia indicado para a macroglobulinemia de Waldenström. O inibidor de tirosina quinase (BTK) de Bruton Imbruvica foi desenvolvido e comercializado pela Pharmacyclics LLC, uma empresa AbbVie, e pela Janssen Biotech, Inc.

No iNNOVATE, 150 pacientes com MW confirmada e doença sintomática que necessita de tratamento foram randomizados para receber diariamente ibrutinibe (420 mg) ou placebo, ambos com rituximabe (370 mg/m2/semana IV para infusões nas semanas 1-4, seguidos por um segundo curso de quatro semanas de rituximabe, após um intervalo de três meses).

O endpoint primário foi sobrevida livre de progressão (SLP) avaliada por um comitê de revisão independente (IRC). Os pesquisadores também relataram as taxas de resposta, melhora sustentada nos níveis de hemoglobina, tempo até o próximo tratamento (TTnT), sobrevida geral (SG) e segurança.

Em um acompanhamento médio de 26,5 meses, a combinação prolongou significativamente a sobrevida livre de progressão em comparação com rituximabe, representando uma redução de cinco vezes no risco de progressão ou morte (mediana de SLP, não alcançada em comparação com 20 meses; hazard ratio [HR], 0,20; 95% IC: 0,11-0,38, P <0,0001).

As taxas de SLP aos 30 meses foram 82% vs 28% em cada braço. Melhorias na sobrevida livre de progressão foram consistentemente relatadas em todos os subgrupos relevantes, incluindo pacientes sem tratamento prévio (HR, 0,34; 95% IC: 0,12-0,95), recidivados (HR, 0,17; 95% IC: 0,08-0,36), MYD88L265P/CXCR4WT (HR, 0,17; 95% IC: 0,06-0,49), MYD88L265P/CXCR4WHIM (HR, 0,24; 95% IC: 0,09-0,66) e MYD88WT/CXCR4WT (HR, 0,21; 95% IC: 0,04-1,1). As taxas de resposta global (≥MR) e principal (≥PR) foram significativamente maiores para IR vs R, 92% vs 47% (P <0,0001) e 72% vs 32% (P <0,0001), respectivamente. Melhoras na hemoglobina foram observadas em 73% vs 41% dos pacientes com RI e R (P <0,0001).

Em conclusão, os dados mostram a eficácia da combinação ibrutinibe-rituximabe, com melhorias na sobrevida livre de progressão para todos os pacientes com MW, independentemente de fatores prognósticos ou genotípicos. A combinação IR teve um perfil de toxicidade manejável e não foram observados EAs novos ou inesperados.

Referência:  Phase 3 Trial of Ibrutinib plus Rituximab in Waldenström’s Macroglobulinemia - Meletios A. Dimopoulos et al - June 21, 2018 - N Engl J Med 2018; 378:2399-2410 - DOI: 10.1056/NEJMoa1802917

Leia mais:  iNNOVATE: combinação mostra eficácia em pacientes com macroglobulinemia de waldenström

 


Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner Sanofi 2017 300x250
Publicidade
banner astellas2018 v1
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner logoBMS 2018 300x250