24062018Dom
AtualizadoQui, 21 Jun 2018 7pm

PUBLICIDADE
banner pfizer instuc 2018 468x60px

Vigilância ativa no câncer de próstata

vigilancia ativaA vigilância ativa pode ser expandida para pacientes com câncer de próstata? É o que discute estudo da Cleveland Clinic publicado no Journal of Urology, que reporta a experiência institucional com 635 pacientes com Gleason de baixo risco (Gl 6) e risco intermediário (Gl7) acompanhados por vigilância ativa em um seguimento mediano de 4 anos.

A vigilância ativa (AS, de active surveillance ) - uma alternativa à prostatectomia ou radioterapia imediata - é usada cada vez mais para pacientes com câncer de próstata de baixo risco. Neste relatório da Cleveland Clinic, os pesquisadores apresentaram sua experiência com 635 pacientes acompanhados por vigilância ativa; 82% com doença de baixo risco (Gleason 6 e outras características de baixo risco) e 117 homens (18,4%) com doença de risco intermediário (principalmente Gleason 7 com outras características de maior risco).

O modelo de vigilância ativa não foi padronizado e considerou seguimento com ressonância magnética, teste genômico, além do teste de PSA e biópsia periódica. O acompanhamento foi pelo período mediano de 4 anos; um quarto dos participantes teve mais de 7 anos de seguimento; um terço passou por prostatectomia ou radioterapia.

Durante o acompanhamento, nenhum paciente morreu de câncer de próstata e apenas seis (1%) desenvolveram metástases à distância.

Da coorte de 117 homens com doença de risco intermediário / alto, a sobrevida global em 5 e 10 anos foi de 98% e 94%, respectivamente. A sobrevida livre de metástase em 5 e 10 anos foi de 99% e 98%, respectivamente. Até o momento, não foram observadas mortes específicas por câncer nessa população de pacientes.

Entre os 21 homens que experimentaram falha bioquímica (9,9%), a probabilidade de sobrevida livre de progressão em 5 anos foi de 92%. Na comparação com pacientes com doença de risco favorável, aqueles com câncer de risco intermediário / alto não tiveram diferença na ocorrência de metástases e de falhas durante a vigilância ativa. No entanto, os pacientes com características de maior risco também apresentavam risco significativamente aumentado para a mortalidade por todas as causas, provavelmente refletindo critérios da seleção.

Embora o estude reporte uma série de casos de um único centro, com um seguimento curto e sem um protocolo uniforme de acompanhamento a longo prazo, os resultados sugerem que os grupos de baixo risco e risco intermediário obtêm o mesmo benefício da vigilância ativa.

O uso crescente de vigilância ativa em lugar da prostatectomia imediata ou radioterapia é uma das razões pelas quais a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos (USPSTF) se tornou mais receptiva ao rastreamento do câncer de próstata por PSA (NEJM JW Gen Med 15 de maio de 2017).

Referências:

Intermediate-Term Outcomes for Men with Very Low/Low and Intermediate/High Risk Prostate Cancer Managed by Active Surveillance

DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.juro.2017.03.123

The journal of urology, September 2017, Volume 198, Issue 3, Pages 591–599


Publicidade
banner_assine_300x250.jpg
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner Sanofi 2017 300x250
Publicidade
banner logo astellas 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner logoBMS 2018 300x250