21082017Seg
AtualizadoSeg, 21 Ago 2017 12am

banner_freud_adv_468x60.jpg

Gordura saturada pode aumentar o risco de câncer de pulmão

Buzaid Portal NET OKAlém do tabaco, os fatores dietéticos podem desempenhar um papel na carcinogênese do câncer de pulmão. Um estudo publicado no Journal of Clinical Oncology sugere que a ingestão total de gordura e, especialmente, a ingestão de gordura saturada podem aumentar o risco de desenvolver câncer de pulmão. "Este é mais um estudo que ilustra a importância da dieta na prevenção do câncer", afirma o oncologista Antonio Carlos Buzaid (foto), diretor-geral do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, e membro do Comitê Gestor do Centro de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein. 

Os participantes foram agrupados em quintis, desde a menor ingestão de gordura dietética total até o mais alto grau (faixa entre os homens, 19,2% da energia diária total para 37,6%; faixa entre as mulheres, 20,8% para 38,1%).

A regressão de Cox foi utilizada para estimar os hazard ratios (HRs) e 95% de intervalo de confiança em cada coorte. As estimativas de risco específicas do estudo foram agrupadas por meta-análise de efeitos aleatórios ou fixos. Os primeiros dois anos de seguimento foram excluídos para abordar a influência potencial de mudanças na dieta pré-clínica.

Resultados

Entre 1.445.850 participantes, 18.822 casos incidentes de câncer de pulmão foram identificados (seguimento médio de 9,4 anos). Em comparação com os participantes do quintil mais alto, os participantes do quintil mais baixo eram mais propensos a ser ex-fumantes, menos probabilidades de serem fumantes atuais, mais propensos a terem realizado estudos de pós-graduação e mais propensos a ter uma maior ingestão diária de álcool, carboidratos e vegetais.

As altas ingestões de gorduras totais e saturadas foram associadas a um risco aumentado de câncer de pulmão (para o maior quintil vs mais baixo: HR, 1,07 e 1,14, respectivamente, 95% IC, 1,00 a 1,15 e 1,07 a 1,22, respectivamente, P trend para ambos <.001). A associação positiva de gordura saturada foi mais evidente entre os fumantes atuais (HR, 1,23; 95% IC, 1,13 a 1,35, P trend <0,001) do que entre ex-fumantes ou que nunca fumaram (P para interação = 0,004) e para células escamosas e carcinoma de pequenas células (HR, 1,61 e 1,40, respectivamente, 95% IC, 1,38 a 1,88 e 1,17 a 1,67, respectivamente, P trend para ambos <0,001) do que outros tipos histológicos (P para heterogeneidade <0,001).

Em contraste, uma alta ingestão de gordura poliinsaturada foi associada a um menor risco de câncer de pulmão (HR, 0,92; 95% IC, 0,87 a 0,98 para o maior vs menor quintil; P trend = 0,02). Uma substituição energética de 5% de gordura saturada com gordura poliinsaturada foi associada a um risco 16% a 17% menor de carcinoma de células pequenas e células escamosas. Nenhuma associação foi encontrada para gorduras monoinsaturadas.

Os autores concluíram que promover gorduras poliinsaturadas enquanto reduzem a ingestão de gorduras saturadas, especialmente entre fumantes atuais e aqueles que pararam de fumar recentemente, pode representar uma abordagem dietética modificável para a prevenção não apenas de doenças cardiovasculares, mas também câncer de pulmão, especialmente carcinoma de células escamosas e de pequenas células.

Referência: Yang JJ, Yu D, Takata Y, et al. Dietary fat intake and lung cancer risk: a pooled analysis. J Clin Oncol. 2017 Jul 25. doi: 10.1200/JCO.2017.73.3329 [Epub ahead of print]

 


Publicidade
AD_Pfizer_2017_ 300x250px.jpg
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
AD_sanofi_300x250.JPG
Publicidade
banner logo astellas 300x250
Publicidade
banner_assine_300x250.jpg