21082017Seg
AtualizadoDom, 20 Ago 2017 10pm

banner_freud_adv_468x60.jpg

Custo e benefício no tratamento do câncer

FARMACOECONOMIA ON6 NET OKA Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) e a Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO) desenvolveram métricas para avaliar o real benefício das terapias contra o câncer, considerando o ganho de sobrevida à luz de critérios como toxicidade e qualidade de vida. Artigo publicado no Lancet Oncology1 mostra a aplicação prática dessas metodologias de análise em uma coorte de estudos randomizados e mostra a desconexão entre o custo da droga e o benefício clínico.

Métodos

Os autores identificaram todos os estudos clínicos randomizados de terapias sistêmicas em câncer de pulmão não pequenas células, câncer de mama, câncer colorretal e câncer de pâncreas publicados entre 1º de janeiro de 2011 e 31 de dezembro de 2015. Foram elegíveis os estudos que favoreceram o grupo experimental no desfecho primário ou secundário. A partir dos critérios da ESMO e da ASCO, os estudos foram avaliados em dois momentos diferentes, com 3 meses de intervalo, para confirmar a confiabilidade intra-avaliador.

O coeficiente κ de Cohen foi calculado para estabelecer o grau de concordância entre as duas abordagens, considerando o escore mediano da ASCO e a escala estabelecida pela ESMO. As diferenças no custo mensal das drogas entre os grupos experimental e de controle de cada estudo controlado randomizado (ou seja, o custo incremental de medicamentos) foram obtidas a partir de preços médios no atacado em 2016.

Resultados

109 estudos randomizados foram elegíveis, 42 (39%) em câncer de pulmão não pequenas células, 36 (33%) em câncer de mama, 25 (23%) em câncer colorretal e seis (6%) em câncer de pâncreas. Os escores da ASCO variaram de 2 a 77; o escore médio foi de 25 (IQR 16-35). 41 (38%) estudos atingiram os limites de benefício fixados pela ESMO. Houve concordância entre os dois critérios (κ = 0 · 326).

Entre os 100 estudos randomizados para os quais os dados de custo de medicamentos estavam disponíveis, o índice de benefícios da ASCO e os custos mensais incrementais foram negativamente correlacionados (ρ = -0 · 207; p = 0; 039).

Os tratamentos que atendiam aos limites de benefício clínico estabelecidos pela ESMO apresentaram menor custo mediano que aqueles que não atenderam aos limites de benefício clínico (US $ 2981 [IQR 320-9059] contra US $ 8621 [1174-13 930]; p = 0 · 018).

A interpretação dos autores é de que a entrega de cuidados no tratamento do câncer em um sistema de saúde sustentável exigirá esforços futuros de oncologistas, pesquisadores e formuladores de políticas para reconciliar custo e benefício clínico.

Referências:
Delivery of meaningful cancer care: a retrospective cohort study assessing cost and benefit with the ASCO and ESMO frameworks - Joseph C Del Paggio, Christopher M Booth et al - Published: 02 June 2017 - DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S1470-2045(17)30415-1

 


Publicidade
AD_Pfizer_2017_ 300x250px.jpg
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
AD_sanofi_300x250.JPG
Publicidade
banner logo astellas 300x250
Publicidade
banner_assine_300x250.jpg