21082017Seg
AtualizadoSeg, 21 Ago 2017 12am

banner_freud_adv_468x60.jpg

Transplante autólogo em mieloma múltiplo

Ângelo Maiolino (foto), professor de Hematologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Coordenador do Programa de Transplante de Medula Óssea do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, fala do papel do transplante autólogo no tratamento do mieloma múltiplo e comenta os dados do estudo de Fase III EMN 02, do grupo europeu, apresentados na ASH 2016.

 


Avanços e desafios da oncohematologia

Pillip_Still_2.jpgPhillip Scheinberg (foto), coordenador da área de Hematologia do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes da Beneficência Portuguesa de São Paulo, fala dos estudos GALLIUM e ALCANZA, entre outros destaques da ASH 2016. Assista.

GALLIUM: obinutuzumab aumenta sobrevida em linfoma folicular

Onco_hemto_300x175.jpgApresentado em sessão plenária, o estudo GALLIUM, que comparou rituximabe com o anti CD-20 obinutuzumabe, mostrou que o anticorpo de nova geração aumentou a sobrevida livre de progressão em pacientes com linfoma folicular. Após um seguimento médio de 34,5 meses, houve uma redução de 34% no risco de progressão ou morte, favorecendo obinutuzumabe (HR, 0,66; p = 0,001).

StaMINA: Intervenções adicionais não trazem benefícios no mieloma múltiplo

ASH_Sangue_NET_OK_2.jpgOs resultados do estudo StaMINA apresentados na 58ª Reunião Anual da American Society of Hematology (ASH), em San Diego, sugerem que intervenções adicionais não melhoram as taxas de sobrevida livre de progressão em pacientes com mieloma múltiplo em comparação com o padrão atual de tratamento isolado. O estudo é o maior ensaio clínico randomizado de terapia pós-transplante em mieloma múltiplo já realizado nos Estados Unidos.

Redução ou interrupção do tratamento da LMC

ASH_Sangue_NET_OK_2.jpgDois estudos apresentados em sessão oral na segunda-feira, 5 de dezembro, durante a ASH 2016, avaliam a segurança e os benefícios de reduzir a dose ou interromper o uso dos inibidores de tirosina quinase (TKI) no controle da leucemia mieloide crônica (LMC).

Terapia combinada para pacientes com leucemia mieloide aguda

Estudo de fase 1b apresentado sábado, 3 de dezembro, na ASH 2016, demonstrou que a terapia-alvo vadastuximab talirina (33A) é segura quando utilizada em combinação com o tratamento quimioterápico padrão para pacientes com leucemia mieloide aguda (LMA) recém-diagnosticados. Os resultados foram apresentados por Harry Erba, da Universidade do Alabama.

Terapia CAR-T na ASH 2016

CART_NET_OK.jpgO presidente da ASH, Charles Abrahms, professor de medicina da Universidade da Pensilvânia, destacou dois estudos com células CAR-T geneticamente modificadas. O estudo pivotal multicêntrico de fase 2 ZUMA-1, com células CAR-T anti-CD19 (LBA-6) envolveu 111 doentes de 22 instituições e induziu uma taxa de resposta objetiva em 76% de 101 pacientes com linfoma difuso de grandes células B (47% de resposta completa e 29% de resposta parcial).

Head to head: GALLIUM mostra superioridade do novo anti CD-20

Os resultados do estudo GALLIUM também concentram as atenções nesta 58ª ASH. O estudo avaliou o uso do novo anti CD-20 obinutuzumab (GAZYVA®) versus rituximab no linfoma folicular, em pacientes sem tratamento prévio. Os dados serão apresentados em sessão plenária no domingo, dia 4, e resultados preliminares atestam a superioridade do novo anticorpo monoclonal, com impacto na sobrevida.

ASH 2016 e os destaques da oncohematologia

ASH_2015_blood_cells_NET_OK.jpgA ASH 2016, conferência anual da Sociedade Americana de Hematologia, que acontece de 3 a 6 de dezembro, em San Diego, anunciou alguns estudos que devem ser destaque do programa científico dessa 58ª edição, que acontece entre os dias 3 e 6 de dezembro em San Diego, Califórnia.

Publicidade
AD_Pfizer_2017_ 300x250px.jpg
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
AD_sanofi_300x250.JPG
Publicidade
banner logo astellas 300x250
Publicidade
banner_assine_300x250.jpg