20112018Ter
AtualizadoTer, 20 Nov 2018 1am

PUBLICIDADE
banner pfizer instuc 2018 468x60px

ESMO 2018

Eficácia e segurança do sorafenibe em idosos com carcinoma hepatocelular

GUILHERME LEONARDO POSTER ESMO NET OKPesquisadores do ICESP analisaram uma coorte de casos de carcinoma hepatocelular com o objetivo de avaliar a eficácia e segurança do sorafenibe em pacientes idosos. O trabalho foi apresentado pelos oncologistas Leonardo da Fonseca e Guilherme Marta (foto) durante a sessão de pôster da ESMO 2018, em Munique, Alemanha.

O carcinoma hepatocelular (CHC) é a segunda principal causa de mortes relacionadas ao câncer em todo o mundo. O sorafenibe (SFN) tem sido a base do tratamento da doença avançada na última década. Como a idade média de apresentação do CHC é entre 50 e 60 anos, os dados sobre o uso de sorafenibe em pacientes idosos permanecem escassos devido à subrepresentação dessa população em ensaios clínicos pivotais. Assim, o tratamento de pacientes idosos com carcinoma hepatocelular representa um desafio clínico, dada a concomitância da idade avançada com hepatopatia crônica, levantando preocupações sobre o benefício clínico e aumento da toxicidade neste subgrupo.

Métodos

Uma coorte de pacientes com CHC avançado tratado com sorafenibe foi avaliada retrospectivamente. Os pacientes foram divididos em dois grupos: (A) aqueles com menos de 70 anos; e (B) pacientes com 70 anos ou mais no momento do início da administração do sorafenibe. A sobrevida global foi calculada a partir do primeiro dia de sorafenibe até a morte ou último registro de dados. O tempo até a falha do tratamento (TTF) devido à progressão da doença ou toxicidade foi calculado do primeiro ao último dia de tratamento com sorafenibe. TTF e SG foram estimados usando Kaplan-Meier e as curvas foram comparadas pelo teste log-rank.

Resultados

Foram analisados ​​226 casos de CHC tratados com sorafenibe entre outubro de 2007 a janeiro de 2017. O grupo B foi composto por 37 (16,4%) pacientes, com mediana de idade de 73,5 anos (70-85), 75,7% homens, 29,7% tinham infecção pelo vírus da hepatite C (HCV), 86,5% Child-Pugh A, e 37,8% tinham disseminação extra-hepática. A dose inicial reduzida de sorafenibe (<800 mg/d) foi mais comum no grupo B do que no grupo A (27% vs 11,8%, p = 0,026). Não foram observadas diferenças estatisticamente significativas na sobrevida global (7,9 vs 9,8 meses, p = 0,534) ou TTF (3,5 vs 4,3 meses, p = 0,962) entre os grupos A e B. A incidência de eventos adversos dermatológicos (38,6% vs 34,1%, p=0,596) e hipertensão (7% vs 5%, p = 0,641) não diferiram significativamente entre os grupos A e B, respectivamente. A intolerância à descontinuação do sorafenibe ocorreu em 11% e 9,5% dos pacientes nos grupos A e B, respectivamente (p = 0,780).

“Nossos achados sugerem que a eficácia e a incidência de eventos adversos foram semelhantes em pacientes idosos com carcinoma hepatocelular tratados com sorafenibe quando comparados aos pacientes mais jovens. Assim, apenas a idade não deve ser utilizada para determinar a terapia de pacientes com doença avançada, e o sorafenibe deve ser considerado para essa população”, afirmaram os autores.

Referência: 707P Efficacy and safety of sorafenib (SFN) in elderly patients with hepatocellular carcinoma (HCC) L. Gomes Da Fonseca, G. Nader Marta, M.I. Braghiroli, P. M. Hoff, J. Sabbaga Medical Oncology, ICESP - Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, São Paulo, Brazil

Publicidade
Publicidade
banner Sanofi 2017 300x250
Publicidade
banner astellas2018 v1
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
Merck 300x250 2018
Publicidade
banner logoBMS 2018 300x250
Publicidade
ad lilly 300X250px
Publicidade
banner abbvie2018 300X250p