23092018Dom
AtualizadoSex, 21 Set 2018 5am

PUBLICIDADE
banner pfizer instuc 2018 468x60px

ASCO 2018

Cenário de consolidação

RAFAEL MELANOMA 2018 NET OKOs destaques da ASCO 2018 em melanoma são tema da análise do oncologista Rafael Schmerling (foto), médico da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo e membro do Grupo Brasileiro de Melanoma (GBM).

 

Após diversos anos com novidades no tratamento do melanoma, este congresso da Sociedade Americana de Oncologia Clínica foi uma oportunidade para a acomodação dos dados que vinham surgindo. No cenário da cirurgia, tivemos a atualização do estudo alemão DECOG-SLT que avaliou o papel da dissecção linfonodal complementar em pacientes que tivessem comprometimento linfonodal detectado pelo linfonodo sentinela. Com 373 pacientes incluídos e um seguimento mediano de 72 meses, as conclusões iniciais se repetiram: pacientes que se submeteram à dissecção nodal complementar tiveram menor taxa de recidivas linfonodais (11% vs 16%), mas não tiveram melhor sobrevida global ou mesmo sobrevida livre de doença metastática.

A discussão da doença precoce também envolveu uma análise da 8ª edição do estadiamento pela AJCC. Nesta, a incorporação de critérios prognósticos na avaliação do linfonodo sentinela otimizou a avaliação de risco de morte dos pacientes, o que se considera útil na tomada de decisão. 

No que diz respeito a tratamento adjuvante, tivemos a atualização do estudo que comparou nivolumabe e ipilimumabe. Os resultados mostram que o ganho de sobrevida livre de doença persiste com HR 0,66 (p<0,0001) e, ainda que não tenhamos dados de sobrevida global, já se observa ganho significativo em sobrevida livre de doença metastática (HR 0,76; p=0,034).

No campo da doença metastática, tivemos duas atualizações. No KEYNOTE-006, com 4 anos de seguimento, observamos 44% de pacientes vivos em 4 anos e 36% estavam vivos e sem progressão ao fim de 3 anos. Dentre os que atingiram 2 anos de tratamento, 86% estavam vivos e sem progressão após 2 anos. Esta atualização reforça o caráter de longa duração do benefício da imunoterapia em pacientes com melanoma metastático.

O estudo COLUMBUS (encorafenibe/binimetinibe vs encorafenibe vs vemurafenibe)

também foi atualizado. Mais uma vez, a combinação de inibidores de BRAF e MEK superou o uso de inibidores de BRAF isoladamente em todos os parâmetros avaliados. O que chamou atenção neste estudo foi a magnitude do ganho da combinação frente a vemurafenibe (HR 0,51), superior a todas as outras comparações com vemurafenibe ou dabrafenibe isolados. Mesmo a comparação de encorafenibe e vemurafenibe mostrou a melhor eficácia do novo inibidor de BRAF. Esta nova combinação se mostra promissora como alternativa no tratamento de pacientes com melanoma metastático e mutação do BRAF.

Ainda que não tenha havido novidades, as atualizações e análises dos dados antigos são de grande importância para entendermos se as conclusões tomadas inicialmente são válidas e se existe alguma necessidade de rever nossas condutas. Por ora, mantemos o que vem sendo feito.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner Sanofi 2017 300x250
Publicidade
banner astellas2018 v1
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner logoBMS 2018 300x250